sexta-feira, julho 30, 2021

O tigre que veio para o chá da tarde - Quando a vida apronta uma daquelas



Está tudo pronto para o chá. De repente, um tigre faminto chega, pedindo comida! É isso mesmo. Você não se equivocou. O livro conta o que o título já avisa.

O problema é que o tigre parece insaciável. Não tem problema. Deixe-o comer. Mãe e filha fazem isso, sempre encarando a situação com bom humor e doses enormes de afeto.

Judith Kerr traça então uma narrativa inusitada com total naturalidade. Atônito fiquei eu, enquanto lia. E curioso para saber como mãe e filha resolveriam a questão.

O livro O tigre que veio para o chá da tarde é uma daquelas obra sensíveis e poeticamente misteriosas, que exigem de nós certa dose de fabulação e conformidade. Não adianta estranharmos a situação inusitada. Ou melhor, adianta, sim. Talvez seja esse o desejo da autora.

Enquanto li, eu ficava cada vez mais surpreso com os acontecimentos. Não podia deixar de ter alguns calafrios com o sorriso enigmático do tigre. Era como se ele sempre escondesse alguma coisa, ou estivesse pronto para a qualquer momento devorar a menina e sua mãe.

Mas assim é a vida: Pronta para puxar nosso tapete e nos virar de ponta-cabeça. Em situações assim, o que devemos fazer? De repente, dar uma cambalhota!

(Descrição da imagem: Fotografia de mão de pele clara que segura um livro. A capa do livro tem fundo branco, criança de cabelos amarelos sentada em uma mesa, de frente. À direita, tigre também sentado à mesa. A criança está de blusa azul, vestido roxo e meia calça xadrez. Calça sapatos pretos. Ela está de perfil direito. Já o tigre está de frente, com as patas dianteiras pousadas sobre a mesa.) 


Ficha Técnica

O tigre que veio para o chá da tarde

Judith Kerr

Tradução de Érico de Assis

ISBN-13: 9786555110791

ISBN-10: 6555110791

Ano: 2021 

Páginas: 32

Idioma: português

Editora: HarperCollins


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/o-tigre-que-veio-para-o-cha-da-tarde-11809265ed11810037.html

quarta-feira, julho 28, 2021

Para todo mundo


O direito à saúde e à vida deveria ser um direito de todas as pessoas. Infelizmente, há quem as transforme em mercadoria. E desta forma, quem tem pode pagar. Mas e quem não tem?

Meu sonho é que todas necessidades das pessoas se tornem direitos básicos. Meu sonho é que ninguém precise se degradar para ter a saúde que precisa, ou a cultura, ou os alimentos. A humanidade pode fazer isso. Sim, a humanidade pode ser melhor.

Na última quinta-feira, dia 15 de julho de 2021, eu recebi a primeira dose da vacina contra COVID-19. Dois dias antes, quando eu soube que minha faixa etária (39 anos) seria contemplada pela campanha de vacinação aqui em BH, senti meu coração pular de alegria. Eu me senti literalmente privilegiado. E um sobrevivente.

Só de pensar que tantas pessoas mais jovens e mais saudáveis que eu morreram de uma doença que já tem vacina, percebo o absurdo do mundo em que vivemos. Ao mesmo tempo, só de pensar que, se não fosse o SUS, talvez a vacinação estaria muito mais atrasada do que já está, percebo como o SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE é um gigante, um poderoso aliado para a nossa saúde, de todas as pessoas que vivem neste país. 

Por isso, sempre que souber de mais uma pessoa vacinada, sempre que for informado sobre uma nova faixa etária contemplada na campanha de vacinação, não irei hesitar. Vou vibrar e dizer: VIVA O SUS!

Descrição da imagem: Fotografia onde eu estou vestido com uma camiseta de cor vinho. Na camisa está estampado o desenho de um jacaré. À direita, recebo no braço a injeção da vacina. Sou branco, tenho os cabelos amarrados para trás, estou de máscara azul e óculos retangulares. 

segunda-feira, julho 26, 2021

Sinto saudade dos abraços


Sinto saudade dos abraços.

Dizer isso é pouco.

Sinto falta do toque 

do calor. 

Desse pertencimento 

que só se transmite assim, 

pele na pele. 

Ai como sinto 

com toda força 

o não sentir.

sexta-feira, julho 23, 2021

O Crime do Cais do Valongo - O poder das vozes de além




É difícil falar de um livro tão complexo e rico como O crime do Cais do Valongo. Escrito como uma narrativa composta, com mais de uma voz, o texto de Eliana Alves Cruz nos brinda com um enredo envolvente, com motivo histórico, mostrando que muitas de nossas mazelas são antigas.

No romance, conhecemos Nuno, um rapaz jovem e alegre, amante da vida e muito esperto. Por saber que, sendo mestiço, tem poucas chances de ascensão social, Nuno busca nos negócios uma chance de melhorar sua vida. O problema é que o jovem tem uma dívida com um português, aparentado com o Intendente Geral de Polícia, que responde diretamente a D. João VI.

A situação se complica para Nuno quando o credor da dívida aparece morto e seu corpo, mutilado. Temendo que a culpa caísse sobre ele, o jovem inicia uma investigação por conta própria, enquanto se aproxima do responsável pelo caso, o intendente em pessoa.

Além da voz de Nuno, temos também Muana Lómuè. Ela foi escravizada e trabalhava para a vítima. Moçambicana, Muana tem poderes que os olhares europeus não conseguem explicar. Muana fala de seu povo, macua, e sua Grande Mãe, Nipele. Muana tem capacidade de enxergar os mortos. Há outras duas personagens que trabalhavam para a suposta vítima: Roza e Marianno. Cada um deles tem características marcantes e poderes misteriosos.

Enquanto acompanhamos as vozes de Nuno e Muana, vamos nos questionando qual seria o verdadeiro crime. Não seriam os horrores provocados pelos traficantes das pessoas escravizadas? Cada capítulo se abre com um anúncio de jornal e alguns deles são de pessoas vendidas para o tráfico de escravizados. Os anúncios foram de fato consultados em documentos dos jornais do Brasil colonial. E mostram a vileza dos portugueses em negociar vidas inocentes, inclusive crianças. 

Um elemento interessante é que a autora com sua obra homenageia o romance policial, com reviravoltas e mistérios que envolvem cada personagem. O livro, porém, não é um romance policial e sim uma obra de denúncia social e um romance histórico. Uma obra poderosa sobre a resistência de povos que foram retirados à força de sua terra, mas que lutaram para que sua terra não fosse arrancada deles.


Ficha Técnica

O crime do Cais do Valongo

Eliana Alves Cruz

 Nenhuma oferta encontrada

ISBN-13: 9788592736279

ISBN-10: 8592736277

Ano: 2018 

Páginas: 202

Idioma: português

Editora: Malê


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/o-crime-do-cais-do-valongo-782206ed787048.html

segunda-feira, julho 19, 2021

A moça na janela

Imagem de Frank Winkler por Pixabay 

Ele morava sozinho. Uma das janelas do seu apartamento dava para uma casa abandonada.

Uma noite, ele acordou e não conseguiu mais dormir. Foi beber uma água. Enquanto virava o copo na boca, olhava distraidamente pela janela.

Havia uma luz na casa abandonada. Era uma luz fraca, de lamparina, candeeiro. Ele não deu muita importância. Até que a imagem de uma bela moça surgiu na janela. A moça era jovem e tinha uma beleza melancólica. 

No dia seguinte, ao ir para o trabalho, passou em frente à casa. Ela tinha a mesma imagem de decrépito abandono. Achou que havia sonhado.

A insônia continuou. Era sempre no mesmo horário que ele despertava e perdia o sono. Da cozinha, via a moça melancólica. Uma noite, ele percebeu que a moça se despia sob luz da lamparina. Excitado, ele não conseguia tirar os olhos dela.

Quando então a moça virou-se para a janela e fitou o rapaz. Ele estremeceu, enquanto ouviu alguém sussurrar em seu ouvido esquerdo:

- Tá olhando o quê?

sexta-feira, julho 16, 2021

Nós: Uma antologia de literatura indígena - As vozes de todos no silêncio de cada um


Para quem acredita no na ilusão de "povo brasileiro", como se fôssemos uma só nação, certamente sua ideia acolhe um grande equívoco. No início da invasão europeia, a terra que no futuro se tornaria Brasil era formada por várias etnias diferentes, cada uma com sua língua, cultura e valores. Mais de quinhentos anos de massacres não conseguiram, felizmente, calar muitos desses povos, que continuam firmes em sua luta de resistência. E eles continuam a contar suas histórias. E algumas delas estão reunidas no livro Nós.

Nós é uma antologia de contos indígenas. Organizado por Maurício Negro, o livro traz contos que abordam a vida na comunidade, bem como recontos de mitos de origem, sempre primando pelo tratamento literário. Ao final de cada conto, há uma nota sobre o povo representado na narrativa, bem como uma nota da autoria. São 12 pessoas que assinam os contos, que são 10.

As narrativas abordam o amor, a amizade, a morte e a origem Algumas estão situadas em um relativo presente; já outras remontam o tempo mítico, em que humanos, animais e plantas falavam a mesma língua.

Foi bom conhecer tantas diferentes visões de mundo. Até a forma de falar apresenta um tom coloquial que não deixa de ter certa cerimônia, certo tom solene, como se assumisse um ar sagrado para a palavra.

Maurício Negro assina também as ilustrações. Seu traço busca homenagear as feições dos povos originários, sem cair no figurativo, muito menos no caricatural. São desenhos que mostram o propósito do ilustrador de homenagear os povos originários.

Com o texto de quarta capa assinado por Daniel Munduruku, Nós é um mergulho no meio de muitas vozes. E tal mergulho deve ser feito com respeito, com oferta de escuta. Como se na voz de todos estivesse guardado o silêncio de cada um.


Nós: Uma antologia de literatura indígena

Vários autores.

Organização de Maurício Negro

ISBN-13: 9788574068640

ISBN-10: 8574068640

Ano: 2019 

Páginas: 128

Idioma: português

Editora: Companhia das Letrinhas


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/nos-918784ed925269.html

quinta-feira, julho 15, 2021

Grupo Afeto - Conta Comigo


No próximo sábado, terei o privilégio de participar da laive Conta Comigo, do Grupo Afeto. Será um momento maravilhoso de histórias, brincadeiras e muito Afeto. Venha assistir e prestigiar! Conto com a presença de todes!

Sábado 17/07/2021 às 16h, no Instagram do Grupo Afeto!

quarta-feira, julho 14, 2021

O que é felicidade

Imagem de Free-Photos por Pixabay

O menino tinha um amigão. Era um amigo do peito. Especial. Eles estudavam na mesma escola, na mesma sala. Um dia, a professora deu um dever para a sala. Era para responder: O que é felicidade? O menino ficou aflito. Espremeu a cabeça um montão de vezes, mas a folha continuava em branco. Uma menina já de primeira falou, alegre: "Felicidade é quando minha mãe chega em casa". O menino gostou daquela resposta. Que pena que ele não tinha pensado naquilo.

O amigão chamou o menino para dormir na casa dele. Foi muito legal. Comeram sanduíches, tomaram sorvete, jogaram videogame até tarde. Seria aquilo a felicidade? O menino ficou pensando, antes de dormir.

No dia seguinte, foram tomar café com a família do amigo. O pai do amigo não estava, mas chegou ainda no meio do café da manhã. Ele passou a mão na cabeça do amigo, fazendo um cafuné nos cabelos bagunçados dele. Chamou o amigo de "filhão".

O menino sentiu uma coisa estranha no peito. Um tipo de buraco. Não conseguia se lembrar do seu pai. Nem sabia se tinha pai. Ficou na dúvida, perguntando para si mesmo se ele tinha ou não tinha pai. E se ele não tivesse pai? O que ele teria feito de errado para não merecer um pai?

E foi nessa hora que o menino entendeu. Foi nessa hora que ele descobriu que felicidade era ter um carinho como aquele. Felicidade era ter um pai pra chamar a gente de "filhão".

segunda-feira, julho 12, 2021

Muitas vezes


Muitas vezes 

me disseram 

para não andar

olhando 

pro chão. 

Mas esqueceram 

de dizer 

quantas pequenas belezas 

perto do chão estão!

sexta-feira, julho 09, 2021

Os 77 Melhores Contos de Grimm - Um voo pela fantasia


É inegável a contribuição que os irmãos Wilhelm e Jacob Grimm deram para o universo da literatura infantil. Com sua obra da extensão de toda uma vida, os dois pesquisadores da tradição oral recolheram diversas preciosidades da oralidade. O resultado de seu trabalho reverbera até hoje. Estando em domínio público, as narrativas contam com inúmeros recontos e adaptações, além de seleções e coleções diversas. Um desses projetos de seleção de contos é a bela obra em dois volumes Os 77 Melhores Contos de Grimm

Trata-se de uma seleção interessante e bem diversificada. São narrativas que falam de sorte, pureza e reviravoltas aventureiras. As abordagens e enredos variam, em algumas, temos a heroína injustiçada que ao final encontra o seu par no príncipe do reino. Outras mostram heróis que partem em busca do destino. Há inclusive aquelas dedicadas aos heróis simples mas bondosos, que acabam sendo agraciados pela sorte. 

Atravessar esse panorama tão diverso de narrativas foi uma jornada prazerosa. Senti falta, porém, de "A Madrinha Morte". Reconheci, contudo, diversos contos, que já havia lido. O reconhecimento é sempre bem-vindo, pois nele há um quê de pertencimento. Quando reconhecemos um conto, é como se reencontrássemos uma migo querido.

Sendo assim, a seleção de Os 77 Melhores Contos de Grimm acaba por trazer uma questão fundamental no universo da leitura e da literatura: a subjetividade. A qualidade de "melhor" para cada um desses 77 contos foi concedida por uma pessoa. Sendo assim, cada uma e cada um de nós pode também decidir e criar sua lista das "melhores histórias". Com isso, a pessoa terá consigo seus contos favoritos, aqueles que elegeu, contribuindo também para o legado dos Grimm com um olhar pessoal e muito próprio.

Esta minha reflexão, contudo, não expressa um incômodo, mas um fato. Sempre temos a liberdade de escolhermos as narrativas que mais nos tocam, que mais conversam conosco. Isso sem, contudo, deixar de aproveitar as escolhas de repertório que as outras pessoas tiveram. Conhecer Os 77 Melhores Contos de Grimm foi uma forma de entender essa maravilhosa obra dos irmãos Grimm por uma lente específica, o que me fez perceber narrativas que talvez ficariam perdidas, não fosse o trabalho dessa primorosa edição da Nova Fronteira.

Com histórias maravilhosas, narrativas humorísticas e contos de exemplo, Os 77 Melhores Contos de Grimm é um rasante maravilhoso por através do trabalho magnífico dos Grimm. É antes de tudo uma homenagem aos dois pesquisadores e um presente a nós, leitores.


Ps: um agradecimento eterno à Áurea Lana Leite, que compartilhou comigo este magnífico trabalho. 


Ficha Técnica:

Os 77 Melhores Contos de Grimm

Irmãos Grimm

Tradução de Íside M. Bonini

Ilustrações de Ramirez

Introdução e organização de Luciana Sandroni

ISBN-13: 9786556400815

ISBN-10: 6556400815

Ano: 2018 

Páginas: 640

Idioma: português

Editora: Nova Fronteira

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/os-77-melhores-contos-de-grimm-793913ed11682267.html

quinta-feira, julho 08, 2021

Clube do livro online


A leitura é, antes de tudo, uma atividade social. Pela leitura, nós nos acercamos do mundo, que é formado por uma coletividade de sentidos, transformando a individualidade em algo comum. Na leitura literária, então, esse processo é ainda mais evidente e rico, uma vez que é através dela que entramos em mentes alheias, estabelecemos diálogos através do tempo e nos redescobrimos nas outras pessoas.

Sendo assim, ler junto é uma potencialização desse poder socializador da leitura. Os clubes de leitura são interessantes iniciativas para para isso. Com o objetivo de fortalecer vínculos e criar outros, bem como de estimular as potencialidades que eu mencionei acima, a amiga Shirley Rodriguez, do Grupo Afeto, criou o Clube do livro online. Tenho participado há algumas semanas e garanto que a experiência tem sido mais do que enriquecedora. Por isso, convido todas as pessoas que quiserem a participar também. Caso alguém deseje fazer parte, basta acessar nosso grupo no WhatsApp(https://chat.whatsapp.com/Dr3CIEiYciFG1MEZKxWUXB). Na atual edição, que é a primeira, estamos lendo A marca de uma lágrima, do grande Pedro Bandeira.

O Clube do livro online se reúne às terças-feiras, a partir de 18h. Quem quiser colar com a gente será muito bem-vinda e bem-vindo e bem-vinde!

quarta-feira, julho 07, 2021

Agonia


Escurece 

o dia morre 

e eu 

ainda não acendi 

a luz do quarto. 

Prefiro a penumbra 

O crepúsculo é o momento 

em que toda alma morre 

Alguns param e notam 

outros apenas engolem 

mais um rivotril.


segunda-feira, julho 05, 2021

Coluna Literária aborda clássicos da literatura brasileira na atualidade



A terceira edição da Coluna Literária saiu na última quarta-feira, dia 30 de junho de 2021. Com textos de Érica Lima, Ericka Martin, Lídia Mendes e Samuel Medina, a publicação da Gerência de Bibliotecas e Promoção da Leitura / FMC teve como destaque obras clássicas em domínio público.

Tendo a consciência de que um clássico se mantém justamente por sua atemporalidade, a Coluna levou em consideração também obras cujas abordagens coincidissem com os dias atuais. Foram apresentadas resenhas de Relíquias da Casa Velha, de Machado de Assis, por Érica Lima e A alma encantadora das ruas, de João do Rio. Para fechar a edição, foi apresentado o perfil literário de Maria Firmina dos Reis.

Para conferir a 3a edição da Coluna Literária, basta acessar o Blog do Portal Belo Horizonte.

Édipo ao avesso


Penso em Telêmaco

como ele

fui um quase

órfão

Filho de um pai

ausente

como um deus.

E outro

presente

grande

também divino

abraãmico

E que podia

me pendurar pelas orelhas

se contestado.

Não fui como Telêmaco.

Tive dois pais.

E pelos dois 

Fui negado

à condição de 

Filho.

sexta-feira, julho 02, 2021

O Conto da ilha desconhecida - Sobre um lugar chamado "aqui"


Saramago é um mestre em contar histórias. É muito difícil ficar insensível a essa habilidade do escritor português. Quem já leu um de seus livros sempre fala de como teve sua vida marcada pela leitura. Não seria diferente em O conto da ilha desconhecida.

Nesta narrativa, ele conta de um homem que deseja encontrar uma ilha que ninguém ainda descobriu. Para isso, ele vai ao rei, pedir um barco. Batendo com insistência à porta das petições, ele é atendido por uma mulher, que deve levar sua solicitação, sendo que esta passará por longa cadeia de comando até chegar ao soberano.

Começa assim uma divertida aventura sobre buscas e descobertas. De forma dialógica e perspicaz, a dupla vai se entendendo e também amadurecendo suas ideias sobre tão desafiadora expedição. Nessa narrativa, portanto, tendemos a concluir que a tão desejada ilha desconhecida nada mais é que o próprio coração humano.

Seguido pela mulher que o atendeu à porta, após ter seu pedido garantido pelo rei, o homem parte para o trabalhoso processo de se preparar para tão arriscada empreitada. E vai descobrindo que ir em busca de um sonho não é nada fácil, a ponto de ser um sonho o próprio ato de "buscar o sonho".

Como uma bela e divertida alegoria, cheia de humor e graciosidade, O conto da ilha desconhecida é uma deliciosa narrativa que, ao seu final nos faz de cara sentir saudade da história e pedir por mais.


Ficha Técnica

O conto da ilha desconhecida

José Saramago

ISBN-13: 9789723704242

ISBN-10: 9723704242

Ano: 1997 

Páginas: 64

Idioma: português de Portugal 

Editora: Companhia das Letras


Página do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/livro/1438ED1943

quinta-feira, julho 01, 2021

quarta-feira, junho 30, 2021

Com que tipo de pessoa você povoaria o céu?


Com que tipo de pessoa você povoaria o céu?

Com aquelas

Prontas para matar o

Próximo?

Ou seria com aquelas 

Que defendem 

O armamento da população?

Inquilinos do Reino

Que escarnecem de quem

É diferente

E fazem piada com isso?


segunda-feira, junho 28, 2021

Ela



Nome de artista.

E mais cicatrizes

Do que se poderia contar.

Traçou seu caminho por 

Fossas e fendas

Fez dessas trilhas

De sangue, porrada e gozo

Ícone.

Paga a vida na vida.

E ainda a cada dia

Precisa nascer de novo,

Romper o ventre do mundo 

Pra dizer:

Eu sou.


Para todas as pessoas que sofrem por serem quem são.

domingo, junho 27, 2021

Era Uma Voz, Salão do Livro e FLI Lagoa

Neste mês de junho, tivemos uma grande riqueza em eventos literários. Aconteceu o Era Uma Voz, realizado pelo Instituto Abrapalavra. O Era Uma Voz teve sua abertura no dia 15 de junho e seguiu até o dia 26 com diversas atividades. Foram oficinas, apresentações e saraus que enriqueceram a rede e tornaram vivas importantes reflexões. A vantagem é que o Era Uma Voz continua vivo, a partir do canal do Abrapalavra, que realizou cada atividade como transmissão ao vivo.



Para quem perdeu essa programação maravilhosa, basta conferir no canal do Abrapalavra no YouTube

Na quinta-feira, dia 24 de junho, teve início o Salão do Livro Infantil e Juvenil de Minas Gerais. Realizado pela Câmara Mineira do Livro, o evento traz atividades voltadas ao livro e à leitura literária.



Hoje é o último dia do Salão, mas as transmissões podem ser também conferidas no YouTube da Câmara Mineira do Livro.

Por fim, mas não menos importante, temos um festival acontecendo na cidade vizinha à BH: o Primeiro Festival Literário de Lagoa Santa - FLI LAGOA.


Sei que é muita coisa para assimilar e acompanhar. Como alguém que atua na área do livro e da leitura, senti muito por não ter acompanhado ao vivo muitas dessas transmissões. Porém, ainda dá pra assistir muita coisa. Fica então o convite para todas as pessoas interessadas. Afinal, estes eventos ultrapassam as fronteiras geográficas, por seu caráter virtual. E também contribuem para a memória dos eventos de mediação de leitura, pois estarão presentes na plataforma de vídeos pelo tempo que os realizadores desejarem.

Fica então o meu convite para todes conferirem esses conteúdos maravilhosos em riqueza artística e reflexiva. 

quinta-feira, junho 24, 2021

Asas abertas em descanso


Asas abertas em descanso 

demonstram 

uma paz 

silenciosa. 

A beleza pode 

ser muito pequena 

e ainda assim 

ser maior 

que um mundo inteiro.

 

domingo, junho 20, 2021

Os responsáveis

 


Se alguém passa fome,

De quem é a culpa?

Se uma criança morre

Sem o remédio que precisava,

Quem precisa ser punido?

E se 500 mil mortes acontecem

Por uma certa doença

Elas poderiam ser evitadas?

E se poderiam, quem não agiu?

Ou de repente agiu, a favor da

Morte...

 

sexta-feira, junho 18, 2021

Ouvindo: A menina que roubava livros - Markus Zuzak


Desde Esperando Bojangles, eu fui cooptado para o universo dos audiolivros. Tem sido uma experiência mágica. Viajei pelo Oriente com As Mil e uma Noites, fui a um porão suíço em O Aquário e conheci relatos de experiências transcendentais em A Profecia Celestina e A Décima Profecia. Agora, estou retornando à Alemanha Nazista nessa jornada de infância, amizade, sacrifício e Morte. Este é o meu reencontro de mais de dez anos depois com A menina que roubava livros.


Ficha Técnica 

A Menina que Roubava Livros

Markus Zusak

 Nenhuma oferta encontrada

ISBN-13: 9788580574517

ISBN-10: 858057451X

Ano: 2013 

Páginas: 480

Idioma: português

Editora: Intrínseca

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/a-menina-que-roubava-livros-7ed410101.html

quinta-feira, junho 17, 2021

Se eu


Se eu gritar "Fora Bolsonaro!"

Você ainda vai me amar?

Se eu for às ruas

Eu me vestir de vermelho

contra tantas violências... e então?

Se eu não conseguir mais 

falar com você 

por seu apoio a esse monstro

Você ainda vai me amar?

PIB


Fui buscar um sentido 

para a sigla PIB 

que não fosse 

"Produto Interno Bruto". 

E (re)descobri 

a maior riqueza 

De infinita grandeza: 

"Povos Indígenas do Brasil". 

quarta-feira, junho 16, 2021

Lendo: A marca de uma lágrima - Pedro Bandeira

 


Estou participando de um clube de leitura coordenado por uma amiga. Este é o primeiro livro que lemos. Curiosamente, eu já o havia lido, muitos anos atrás. A narrativa acompanha uma adolescente com sérios problemas de autoestima, enquanto sua genialidade com as palavras a faz escrever torturante cartas de amor entre sua melhor amiga e o rapaz amado. 


Ficha Técnica 

A Marca de uma Lágrima

Pedro Bandeira

ISBN-13: 9788516035402

ISBN-10: 8516035409

Ano: 1994 

Páginas: 176

Idioma: português

Editora: Moderna


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/a-marca-de-uma-lagrima-866ed1127.html

Sou Antifascista!



Quem deveria lutar pela justiça persegue a liberdade. Quem deveria investigar de forma transparente e objetiva tem sido vetor de comportamentos intimidadores e repressivos. Quem deveria defender a democracia contra os fascistas tem se unido a eles. Agora eu me pergunto: Quando ser antifascista foi algo ruim? 

Quando pequeno, escutava sobre meu avô, que lutava por justiça social, que se mobilizou para que os direitos de seus colegas ferroviários fossem assegurados e protegidos. Em 1964, meu avô, Nestor Antônio Medina, foi preso. Felizmente, ele retornou, mas nunca disse uma palavra sobre o que passou na prisão.

Meu avô não foi considerado perigoso o suficiente para ser morto. Não foi considerado perigoso o suficiente para ser deportado. Simplesmente continuou aqui, arrastando suas cicatrizes, bem como as cicatrizes de sua esposa, Maria da Conceição Santos Medina, e de suas filhas e filhos.

De repente, começo a escutar sobre pessoas que assumem um discurso que criminaliza quem se posiciona como antifascista. Acho que essas pessoas, ou não entendem o sentido de ser antifa, ou  simplesmente são mal-intencionados o suficiente para distorcer discursos e forjar falsas verdades. 

Agora, se você se identifica com essas pessoas, posso dizer com todas as letras que você é um mau-caráter. Não adianta tentar inverter os papeis. Quem faz pose de "arminha" e defende a pena de morte é tão horrível quanto esse presidente assassino que governa nosso país.

Esta crônica foi escrita inspirada na nota abaixo:   


"10 DE JUNHO DE 2021 - 17:57 #Liberdade De Expressão #Nota Pública

Na tarde desta quinta-feira, 10, quatro professores e cinco estudantes da Universidade Estadual do Ceará (UECE) foram intimados a comparecer à Unidade de Polícia Federal para prestar esclarecimentos sobre ação que apura 'atos antifascistas', 'organização de polícia ideológica' e 'perseguição [a grupos] por serem cristãos, bolsonaristas e não quererem declarar voto no candidato do Partido dos Trabalhadores', supostamente ocorridos em 2018.

A ação acontece desde o referido ano, e o Ministério Público Federal já afirmou não existir viabilidade na acusação. No entanto, o inquérito ainda não foi arquivado.

Nesse contexto, a UECE manifesta incondicional apoio institucional aos professores e aos estudantes que estão sendo alvo dessa intimação que fere a liberdade de expressão e de 'aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber' (Constituição Federal, Art. 206).

Os professores intimados, em momento algum, perseguiram alunos por terem posicionamentos divergentes, pois é exatamente em virtude dessas diferenças e do livre debate de ideias que a ciência se constrói. Na verdade, discussões e posicionamentos diversos são os pilares da academia.

Em tempos de obscurantismo e de retrocessos, comprometemo-nos, obviamente, com a verdade dos fatos e reiteramos nosso compromisso com a democracia, com a autonomia universitária – a nós garantida pela Constituição Federal – e com o Estado Democrático de Direito, além de apoiarmos incondicionalmente os membros de nossa comunidade acadêmica nessa luta.

Iluminando caminhos, seguimos firmes em defesa da democracia."

http://www.uece.br/noticias/nota-publica-em-defesa-da-liberdade-de-expressao/



terça-feira, junho 15, 2021

Lido: Ovo galinha - Stella Elia

 



Um poema concreto em um poema em forma de livro. Um objeto para ser descoberto.


Ficha Técnica 

Ovo galinha 

Stella Elia

ISBN 9786500110470

Ano: 2020 

Páginas: 28

Editora: Baba Yaga


Lido: Ideias para adiar o fim do mundo - Ailton Krenak



Encerrei de uma vez. Um mergulho em outra forma de pensar. Um livro que é ligeiro e afiado como a ponta de uma flecha.


Ideias para adiar o fim do mundo

Ailton Krenak

ISBN-13: 9788535932416

ISBN-10: 8535932410

Ano: 2019 

Páginas: 88

Idioma: português

Editora: Companhia das Letras

segunda-feira, junho 14, 2021

Lendo: O livro dos abraços - Eduardo Galeano

 


Finalmente eu me lancei na aventura que é percorrer as narrativas geralmente curtas que dão vida a este livro. Esse percurso é delicioso, divertido e também incômodo. É uma forma de me sentir um pouco mais latino. Sim  sou latino. E Galeano consegue magistralmente transmitir esse sentimento.


Ficha Técnica 

O livro dos abraços 

Eduardo Galeano 

ISBN-13: 9788525414885

ISBN-10: 8525414883

Ano: 2016 

Páginas: 272

Idioma: português

Editora: L&PM

Lido: Nuang - Caminhos da Liberdade - Janine Rodrigues e Luciana Nabuco



Nuang é uma narrativa sobre prisão, escravização e liberdade. Uma narrativa aberta. Inspirada na cultura dos povos Banto, conta a trajetória de uma menina que tem em si o talento e a sabedoria para guiar seu povo rumo à libertação. 


Ficha Técnica 

Nuang - Caminhos da liberdade

Janine Rodrigues

Luciana Nabuco 

ISBN-13: 9788592577070

ISBN-10: 8592577071

Ano: 2017 / Páginas: 38

Idioma: português

Editora: Piraporiando


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/nuang-779998ed784723.html



sábado, junho 12, 2021

Lendo: Úrsula e outras obras - Maria Firmina dos Reis


Quando soube de Maria Firmina dos Reis, fiquei encantado, interessado e igualmente incomodado. Como ainda não havia sido apresentado à primeira romancista negra brasileira? E não é apenas isso. Ela foi, muito antes de Castro Alves, uma voz ferrenha contra a escravidão. 

Depois de meu encontro com as narrativas de Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo, fui tomado por um senso de urgência em ler mais autoras negras. Assim, li Jarid Arraes, Eliana Alves Cruz e, agora, mergulho na literatura de uma mulher de discurso forte, duro, poético e quase desesperado.

Sim, é possível perceber o senso de urgência no clamor Maria Firmina por um mundo diferente daquele que ela vive, onde a sociedade machista e preconceituosa de homens brancos, ricos e violentos usam de seus desmandos quase como deuses.

Estou terminando o livro Úrsula e outras obras. Logo que tiver terminado, pretendo falar um pouco mais sobre essa seminal experiência de leitura.


Úrsula e Outras Obras

Maria Firmina dos Reis

 Nenhuma oferta encontrada

ISBN-13: 9788540203471

ISBN-10: 8540203472

Ano: 2018

Páginas: 307

Idioma: português

Editora: edições câmara


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/ursula-e-outras-obras-802621ed806431.html

sábado, junho 05, 2021

Pés de barro


Um dia ouvi
Ou li, sei lá,
que se todas 
as ações das empresas
Fossem transformadas 
em dinheiro 
ou em ouro, até
Não haveria dinheiro
Ouro
Nada
Que fosse suficiente.
Então por que 
Continuamos perseguindo
Essa Quimera? 

sexta-feira, maio 14, 2021

O abraço do ouriço - Sobre as muitas formas de mostrar carinho



A vida é tão trivial que chega a parecer um desfile de clichês. Sim, é verdade. Tem coisas que acontecem no mundo que parecem ter saído de uma novela. Algumas nos enchem de fúria. Outras nos levam às lágrimas. E nessa montanha-russa, por vezes somos agraciados por presentes do acaso. Mensagens que parecem até transcendentes de tão preciosas e acertadas, pois chegam justamente nos momentos em que mais precisamos.

E como a arte imita a vida - ou seria o contrário? - foi por meio de um livro que recebi um presente desses. Estamos já no segundo ano de uma pandemia que levou milhares de brasileiros. Centenas de milhares, na verdade. E desde o início de 2020, algo que nos é muito precioso nos foi tirado: a proximidade. Há pessoas que estão sem ter contato físico com quem amam há mais de um ano. Não podem tocar, sentir, abraçar suas famílias. É como se o abraço agora escondesse um perigo que, para muitos, é mortal.

Então vem um livro e traz um refrigério, vem de um jeito cálido dizer: "Calma, eu sei que é difícil, mas há outras formas de abraçar". Estou falando de O abraço do ouriço, livro de Adriana Barretta Almeida e Verônica Fukuda. É uma narrativa rimada, repleta da musicalidade da poesia. Sua história fala sobre um ouriço que deseja poder abraçar. Seus amigos, atentos e dedicados, buscam maneiras de atender seu desejo. Mas parece que nada é capaz de abrandar o furor de seus espinhos, ainda que tal furor seja involuntário.

O texto de Adriana Barretta Almeida é suave como uma brisa. Parece sussurrar em nosso ouvido, enquanto nos toma pela mão e nos faz caminhar junto com o pequeno ouriço. Enquanto isso, os desenhos de Verônica Fukuda combinam em suavidade com o texto, enquanto os belos e expressivos traços vão aprofundando nossa empatia por todas as personagens. E assim uma história de amor e cuidado vai se desenvolvendo aos nossos olhos e demais sentidos.

Como disse no início, há livros que parecem ter chegado na hora certa. E quando terminei de virar as páginas do magnífico O abraço do ouriço, eu me senti presenteado. Fui cercado pelo calor e pela certeza de ter tocado um tesouro. E também de sentir que até mesmo um livro é capaz de abraçar alguém.


Ficha Técnica

O abraço do ouriço

Adriana Barretta Almeida

Verônica Fukuda

Editora Aletria

Ano: 2020

Páginas: 44 

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/o-abraco-do-ourico-11907557ed11903503.html

Os 30 anos da Biblioteca Pública Infantil e Juvenil

Foto: Ricardo Laf/PBH


A Biblioteca Pública Infantil e Juvenil fez uma marca indelével em minha vida. Quando lá em 1994 eu tive em mãos um exemplar da revista Ler-O-Lero, nunca imaginei que um dia faria parte do lugar onde a revista nasceu. Lembro que eu ficava horas e mais horas lendo e relendo a revista. Eu ficava me deleitando com as imagens e também as brincadeiras com as palavras e com as histórias. Narrativas sobre três lobinhos que eram perseguidos por um grande porco, ou de um menino chamado João que, de tanto comer feijão, cresceu e ficou gigante feito um pé de fruta-pão.

Anos depois eu fui visitar a Biblioteca para uma apresentação do Era uma vez... E conheci a Sandra Bittendourt e o Babu Xavier. Já era adulto e já sonhava trabalhar como servidor da Fundação Municipal de Cultura. O sonho estava quase se concretizando.

E um dia eu finalmente pude dizer que fazia parte da equipe da BPIJ. Foram anos de muita alegria e muito trabalho, realizando oficinas, coordenando lançamentos de livros, preparando programações mensais. E agora, quando vejo que fiz parte de uma história de 30 anos, sinto muito orgulho e amor.

Sim, a Biblioteca Pública Infantil e Juvenil está completando 30 anos em 2021. E preparou uma programação com carinho e muita sensibilidade. Essa programação eu compartilho com vocês logo abaixo.


Atividades permanentes 

PROSA POÉTICA - OFICINA DE ESCRITA CRIATIVA

Espaço para o escritor aprendiz exercitar a criatividade, trocar ideias e experiências.

Mediação: Kátia Mourão 

Terças-feiras, sempre às 10h

Encontro virtual na plataforma Google Meet

Como participar: envie uma solicitação para o e-mail bibliotecainfantilejuvenil@pbh.gov.br com o assunto “Prosa poética - escrita criativa”


RODA DE LEITURA

Encontro para a prática da leitura em voz alta e reflexão sobre a literatura em suas diversas formas de expressão.

Mediação: Wander Ferreira

Quartas-feiras, às 14h

Encontro virtual na plataforma Google Meet

Como participar: envie uma solicitação para o e-mail bibliotecainfantilejuvenil@pbh.gov.br com o assunto “Roda de Leitura”


HISTÓRIAS E CRIANÇAS

Encontros virtuais para narração e leitura de histórias para crianças e suas famílias, com a participação da equipe da BPIJ-BH e voluntárias

Quinzenalmente, nas quintas-feiras, às 17h30

No canal da Fundação Municipal de Cultura no youtube 

Público: Crianças e suas famílias


ENCONTRO DE CONTADORAS DE HISTÓRIAS

Reunião para seleção e pesquisa de textos literários, exercícios de narração de histórias e trocas de vivências. 

Sextas-feiras, às 10h

Encontro virtual na plataforma Google Meet

Como participar: envie uma solicitação para o e-mail bibliotecainfantilejuvenil@pbh.gov.br com o assunto “Encontro de contadoras” 


LEMBRANÇAS DA BIBLIOTECA

Um vídeo por dia com depoimentos de leitores, funcionários e amigos da BPIJ-BH.

De 03/05 a 31/5, às 8h

Publicações no Facebook


MANHÃ ENCANTADA

Um encontro marcado com a fantasia através da narração de histórias

Sábados, dias 8, 15, 22 e 29/05, às 10h

No canal da Fundação Municipal de Cultura no youtube 

Público: crianças e suas famílias 


BIBLIOTECA CONVIDA

Encontro com Antonieta Cunha, Maria do Carmo Maggi e Reni Thiago, com

mediação de Ana Paula Cantagalli

Quinta-feira, 03/06, às 15h

No canal da Fundação Municipal de Cultura no youtube 

Público: jovem/adulto


CORRE DE FADA

Conversa com Val Armanelli sobre o quadrinho “Comida de Fada” 

Terça-feira, dia 08/06, às 19h

No canal da Fundação Municipal de Cultura no youtube 

Público: jovem/adulto


DESENHANDO O QUADRINISTA

Bate-papo com quadrinistas de BH sobre seus percursos de leitura, memórias afetivas e ídolos no mundo dos quadrinhos

Quinta-feira, 17/06, às 19h

No canal da Fundação Municipal de Cultura no youtube 

Público: jovem e adulto 


SARARAU PALAVRA PRETA

Reunião de poetas e convidados do Sararau ocorrido na BPIJ-BH para performances envolvendo a produção de poetas negros brasileiros. 

Quarta-feira, 23/06, às 19h

Evento virtual na plataforma Google Meet

Público: jovem/adulto

Como participar: envie uma solicitação para o e-mail bibliotecainfantilejuvenil@pbh.gov.br com o assunto “Sararau”


RODA DE LEITURA COM AS CRIANÇAS

Quarta-feira, dia 30/06, às 10h

No canal da Fundação Municipal de Cultura no youtube 


Espero que vocês, assim como eu, possam se inspirar com essa programação tão especial. E que nos vejamos lá!

quarta-feira, maio 12, 2021

segunda-feira, maio 10, 2021

Duas de Nasrudin que o amigo Mário Alves me contou

Imagem de LoggaWiggler por Pixabay 


O Mário Alves é um contador de histórias incrível. Tem uma fala ponderada, equilibrada e carinhosa. Quando ouvimos o Mário, é como se ele nos desse um presente enquanto nos lança um olhar de gratidão.

Há alguns dias, dividi a tela com Pâmela Bastos Machado, minha companheira, e também com o Mário . Fizemos uma oficina dentro da programação do III ECONTHI - Terceiro Encontro de Contadores de Histórias, da Universidade Federal de Lavras.

Enquanto a gente estava nos encontros preparatórios, começamos a trocar histórias sobre o mulá Nasrudin. Mário então contou a seguinte história:

Nasrudin carregava a fama de ter prodigiosa memória. Querendo pregar uma peça no mulá, um certo conhecido, ao encontrá-lo, perguntou:

- Nasrudin, você gosta de ovo?

- Sim - respondeu o mulá.

O conhecido assentiu e seguiu seu caminho. Um ano depois, o sujeito foi à casa de Nasrudin e bateu à porta. Quando o mulá abriu, o homem lançou de chofre a pergunta:

- Como?

- Cozido - respondeu Nasrudin.

Outra história foi contada alguns dias depois da oficina, ao telefone. 

Nasrudin procurou um médico, reclamando que estava sofrendo de um sério problema de memória.

- E quando foi que você começou a perceber esse problema? - perguntou o médico.

- Que problema, doutor?

Adorei ouvir essas deliciosas anedotas. 

domingo, maio 09, 2021

Para Marília



Marília, queria que você estivesse viva para celebrar este dia das mães. Sinto que o mundo precisava desse seu jeito de olhar tudo com inocência. Sinto saudade do brilho infantil dos seus olhos sempre que eu contava histórias para você.

Sabe, amiga, o mundo está muito diferente daquele que você viu. Parece que não, mas está. Ou talvez simplesmente o mundo tenha tirado a máscara, declarando abertamente que CPFs podem ser cancelados. Que números financeiros valem mais que números humanos.

Que falta faz aquele seu jeito doce, de sorriso aberto. Seu hábito de compartilhar até o pouco que você tinha. No dia desta foto, você ganhou uma rosa sintética como homenagem pelo dia das mães. E fez questão que eu ficasse com a rosa.

Ainda tenho comigo essa rosa, Marília, entre minhas coisas. Sou acumulador, o contrário de você, que fazia questão de ter o mínimo. Enquanto isso, as pessoas continuam dispensando as outras. Assassinos sobem os morros. Sobem as rampas dos palácios, usam faixas presidenciais.

Sei que se você ainda estivesse aqui, a vida estaria mais difícil. Sinto-me egoísta por desejar que você estivesse viva. Quantas vezes eu pensei em levar você pra minha casa, ter como filha uma avozinha doce como você era.

Sei que em minha memória, Marília, você continua guardada. E viva. Levarei sempre comigo o seu jeito doce, como inspiração para distribuir sorrisos pelo mundo.

Feliz dia das mães, minha amiga. 

Milagre


Mãe é uma potência. 

Um ideal encarnado. 

Mãe é um milagre. 

Um princípio vivo 

de amor e cuidado. 

Mãe é a prova viva

de que nascemos

para o Amor.

Quando todas as pessoas

tiverem as mães 

como exemplo

uma revolução silenciosa

Trará um novo tempo.

sábado, maio 08, 2021

Leitura Semente - Transmissão de histórias


 Vamos participar desse momento sensacional de leituras e contação de histórias. Algumas colegas da oficina Leitura Semente, ministrada pela Ana Selma Cunha. Será hoje, às 18h. Vamos?

O link da transmissão é este: https://www.youtube.com/watch?v=EuEPwHoUq4o

sexta-feira, maio 07, 2021

Finalmente, o leite - A história da história num mirabolante jogo


Ninguém pode negar a inventividade do escritor britânico Neil Gaiman. Famoso pela obra em quadrinhos Sandman, que repaginou um herói esquecido, Gaiman há muito tempo já escrevia, sendo um autor premiado de diversos contos, bem como de romances aclamados, como Os Filhos de AnansiDeuses Americanos e Coraline, entre muitos outros.

Quando Finalmente, o leite caiu em minhas mãos, fiquei muito animado para ler. Afinal, sou admirador dos trabalhos de Gaiman, em especial sua obra literária. Sendo assim, quando a Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de BH recebeu um exemplar doado pela Letícia Pimenta, criadora do Clube do Livro BH, fiquei muito animado para ler.

Confesso que é de longe o menos interessante que eu li, de todos o de Gaiman. O pai "inventa" uma  história mirabolante e nonsense para justificar a demora em retornar do mercado para os filhos (uma menina e um menino) colocarem no cereal durante o café da manhã.

Existem duas grandes piadas no livro. A primeira é sobre o tempo, havendo paradoxos temporais e viagens no tempo que os provocam. A segunda(que deveria ter sido a primeira) é a metanarrativa. O livro tem um primeiro narrador (o filho), que escuta do pai a aventura. Sendo assim, estamos lendo a narrativa da narrativa, com o acréscimo da interlocução da irmã, que faz brevíssimos comentários ao longo do desenrolar da história.

Dessa forma, o livro é um enorme faz-de-conta, ao mesmo tempo que é um conta-e-faz, em um emaranhado de ideias mirabolantemente ridículas de um pai meio picareta que só sai para comprar o leite dos filhos porque de fato ele quer um pouco dele para o seu chá. O livro conta com piratas, dinossauros, alienígenas, além de outros perigos. Todos esses perigos sendo um prato cheio para crianças.

Com muito humor e doses cavalares de falta de noção, Finalmente, o leite é mais uma das provas da enorme - e ao que parece - inesgotável criatividade de Neil Gaiman. Além de ser uma excelente dica para crianças interessadas em tudo que uma criança pode se interessar. E um pouquinho mais.


Ficha Técnica

Felizmente, o Leite

Neil Gaiman

Desenhos de Skottie Young

ISBN-13: 9788579802591

ISBN-10: 8579802598

Ano: 2016 

Páginas: 128

Idioma: português

Editora: Rocco Jovens Leitores

Perfil do livro no Skoob: 

quinta-feira, maio 06, 2021

Manhã Encantada e a celebração dos 30 anos da BPIJ


A Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de BH está com 30 anos. Três décadas de histórias, fantasia, livros, atividades, oficinas. Celebrando esse momento tão marcante, uma série de eventos online vão ocorrer. E eu estarei no próximo sábado, dia 8 de maio, em um desses eventos: Manhã Encantada. Estaremos no mesmo quadrado o Wander Ferreira e o Rodrigo Teixeira. Quem vai abrir a transmissão ao vivo será a Ana Paula Cantagalli, gerente da BPIJ.

Assim, fica o convite para quem quiser celebrar com a gente esse momento. Será às 10h, no canal do YouTube da Fundação Municipal de Cultura.



quarta-feira, maio 05, 2021

Vídeo: A Cidade Suspensa - Capítulo VIII


Compartilho aqui com vocês a leitura do meu livro A Cidade Suspensa - Capítulo VIII. 

Para ler online ou baixar o livro em pdf, basta acessar aqui: http://www.oguardiaodehistorias.com.br/p/a-cidade-suspensa.html.

Quando não há resposta cabível


E daí

existem pessoas que amam

a despeito da força bruta

Ainda existe vida

dentro do peito

Enquanto as covas

são preenchidas

o rosto fica salgado

e a dor do outro nos

Atinge

E daí talvez

mas só talvez

você não saiba o que é

O luto.

Ou sabe

E faz disso

Motivo de escárnio. 

segunda-feira, maio 03, 2021

Da ponta de areia ao expresso polar



Dois corpos de metal

Serpentes esfumaçadas

Delas 

O que se aproxima

a canção 

vozes de infância

a saudade da inocência abandonada

ausência dos trilhos

E o eterno

Silêncio...

domingo, maio 02, 2021

Nosso namoro


"Em uma semana completaremos  5 anos de namoro. 


Sigo amando você, Samuel. Hoje, certamente, te amo mais do que há 5 anos. Te amo melhor. Te amo mais bonitamente. Confio na gente, na história que estamos construindo, na força do que sentimos e na sinceridade do que vivemos. Sonhamos tanto e realizamos tanto. Quero filhas e filhos com você. Quero casa com quintal pra gente plantar horta. Quero mais gatos e mais cachorros pra gente amar e cuidar. Quero netas e netos pra encher a nossa casa. Quero mais beijos, abraços, acolhimentos e brigas épicas, para depois fazermos as pazes épicas. Quero mais acordos e diálogos. Quero mais acertos do que erros, mas também quero erros pra gente aprender juntos. Quero aprender a viver melhor e envelhecer com saúde pertinho de você. Quero nossas individualidades que equilibram nossa relação e que, por vezes, também a desequilibram. Quero a emoção dos desencontros que fazem a gente sentir a falta do outro. E depois, quero correr pro seu abraço melhor do mundo. Quero escolher você de novo e de novo, e que nosso amor seja generoso e bom para nós dois. Quero que nosso amor sempre nos faça bem. E que a gente sempre faça bem ao nosso amor. Para que possamos conhecer o futuro bom que tanto desejamos para nós e para quem amamos e amaremos. Quero que você seja somente seu e eu seja somente minha porque fará mais sentido a escolha de estarmos juntos nessa jornada da vida. Quero que a gente sempre se queira. Mas ainda mais que isso,  desejo que você seja feliz e eu também, mesmo que em algum momento a gente perceba a felicidade no distanciamento, porque saberei que dessa forma, nosso amor é suficientemente respeitoso e generoso. 

"Bem te quero. 

Te quero bem, meu bem!" (Poema escrevi pra você antes de começarmos a namorar). 


De sua maior admiradora, amiga, namorada, companheira e amante (porque foi assim a sequência da construção do nosso relacionamento). 

Feliz 4 anos, 11 meses e 23 dias de Namoro!"

Pâmela, no dia 25 de abril de 2021.


Minha resposta: 

Sou daqueles que celebram o amor todo dia, a cada instante, nas pequenas coisas. Suas palavras de amor sempre me arrebatam e assim vou vivendo com a certeza de que a felicidade, pra mim, tem seu rosto estampado nela.

Hoje, folheando o meu diário, encontrei um poema que escrevi pra você e que ficou guardado:


Inebriado


Penso em você

e tantos sentidos

vêm à tona.

Sou sempre tomado

pela memória

do seu cheiro

E nela eu me

afundo.

Posso viver para sempre

alimentado

pelo doce aroma

de sua

pele.


Te amo, Pâmela Bastos!

sexta-feira, abril 30, 2021

Os batuqueiros: viagem ao mundo dos sons - Heranças redescobertas


Duas crianças são guiadas pela Mãe dos Ventos em um percurso de descobertas e pertencimento. Essa é a proposta de Os batuqueiros: viagem ao mundo dos sons, de Míria Gomes de Oliveira. 

Neste livro, somos apresentados às crianças Bitita e Bituca. Como qualquer criança, elas são curiosas e cheias de vivacidade. Assim, há nelas uma natural capacidade de experimentar e também uma incansável vontade de produzir sons e batucar. Seus batuques atraem a atenção de uma figura sábia e poderosa: a Mãe dos Ventos em pessoa. Encantada pelas duas crianças, a majestosa Senhora decide conduzi-las por uma galeria de instrumentos de percussão.

O texto de Míria Gomes de Oliveira é poético e divertido. Sua proposta escapa do didatismo, sem deixar de propor, em sua literatura, uma possibilidade de aprendizado. Por suas páginas, vamos nos familiarizando com uma gama de instrumentos que estão presentes na cultura brasileira, mas muitas vezes são ignorados por escolas, impedindo assim um acesso que deveria ser direito de todas as pessoas.

O traço de Linoca Souza confere graça e uma personalidade visual própria à obra. A ilustradora equilibra cores fortes com outras mais suaves, combinando com o próprio ritmo do texto. A personificação da Mãe dos Ventos é fabulosa.

Com um texto atrativo e lindos desenhos, bem como com uma proposta que diverte e também informa, Os batuqueiros: viagem ao mundo dos sons é uma excelente escolha de mães, pais, educadoras e educadores para apresentar às crianças personagens cativantes e a riqueza da percussão. 

Ficha Técnica:

Os batuqueiros: viagem ao mundo dos sons

Os batuqueiros: viagem ao mundo dos sons

Míria Gomes de Oliveira

Ilustrações de Linoca Souza 

 Nenhuma oferta encontrada

ISBN-13: 9786500143041

ISBN-10: 6500143043

Ano: 2021 

Páginas: 28

Idioma: português

Editora: Editora da Autora


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/os-batuqueiros-viagem-ao-mundo-dos-sons-11892933ed11889747.html