sexta-feira, março 01, 2024

Olho sua foto


Olho sua foto 

e meu coração dói 

por saber 

que você 

nunca 

estará em meus 

braços. 

Essa certeza me 

dilacera por dentro. 

A solidão 

de não ter você 

é aquela que 

perfura mais 

fundo. 

sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Hackeado


Somos parasitas

destes corpos

a consciência 

é um vírus

feito para 

corromper

a máquina

biológica.

Ser Humano é

o veneno da

Vida.


26/04/2019

quarta-feira, fevereiro 21, 2024

Ele

 

https://www.reddit.com/media?url=https%3A%2F%2Fi.redd.it%2Feah9155brzb21.jpg

Acendi um cigarro. Pus na boca e não traguei. Nunca trago. Quero apenas me fazer de James Dean. Rebelde sem causa. A fumaça dança sobre meus olhos. Lá fora, chove. Qual nada, é só uma garoa fina.

O som da porta se abrindo chama a minha atenção. É ele. Frio na barriga. Fogo quando sorri. Ele senta ao meu lado e tira o cigarro da minha boca. Traga, solta a fumaça pro lado em que não estou e apaga no cinzeiro. 

Ah, como ele é lindo. Queria ter sido o cigarro, mesmo que fosse esmagado depois. Pelo menos, teria provado aqueles lábios.

Tenho um poema pronto. Leio pra ele. Uma porcaria, ele diz. E depois completa: Tô brincando. Gosto de tudo que você escreve.

Nessas palavras eu morro. Pela terceira vez no dia. Lá fora, a garoa lava nossas memórias. 


segunda-feira, fevereiro 19, 2024

Dorohedoro - 1a Temporada

Fonte: Netflix

Um homem com cabeça de lagarto não tem memória e busca de todas as formas recuperar o que perdeu, tanto sua forma original quanto a memória perdida. Vivendo em um mundo sujo e sombrio, ele enfrenta perigos com suas duas facas afiadas e sua força descomunal.

Dorohedoro  é um anime de ação e aventura, com motivos de terror. Ele conta a história de Caiman, um homem com cabeça de lagarto, que caça feiticeiros, sem busca daquele que o tornou daquele jeito. Caiman conta com a ajuda de Nikaido, uma cozinheira e lutadora. Há outras pessoas que o ajudam, como o médico do hosptial que cuida de pessoas vítimas de magia.

Eles moram no Buraco, um lugar feio e sujo, caótico e distópico. Os feiticeiros saem de seus mundos por portas mágicas para usar seus feitiçõs nos humanos, moradores do Buraco. Muitas são suas vítimas, que costumam ficar desfiguradas.

É um anime bem caótico e disruptivo. O mundo dos feiticeiros é repleto de demônios e referências infernais. Há cruzes de cabeça para baixo em igrejas onde demônios são cultuados. É uma forte carga de ironia na animação.

Cada feiticeiro é especializado em um tipo de feitiço. En, o figurão do mundo dos feiticeiros, transforma seres vivos em cogumelos. Ele é dono de várias empresas e dispõe de muita fama. Tem como inimigos a gangue dos olhos cruzados, que vende um pó preto que pode aumentar temporariamente o poder dos feiticeiros. 

Para eliminar os membros da gangue, En conta com Shin e Noi, dois "faxineiros", ou matadores profissionais que atuam de forma implacável e brutal. Cada um deles tem sua história e suas motivações pessoais. Shin e Noi são incrivelmente fortes, dando grande trabalho para Caiman e Nikaido.

Por último, temos a dupla Fujita e Ebisu. Fujita é um feiticeiro pé-de-chinelo que busca vingança contra Caiman, por este ter matado seu melhor amigo, Matsumura. Já Ebisu tem o poder de transformar seres vivos em répteis. Ela foi atacada por Caiman e saiu gravemente ferida, com um trauma que afetou sua memória e intelecto.

Dorohedoro tem outras personagens, que vão surgindo e tornando a trama ainda mais caótica. O mundo dos feiticeiros é rico e complexo, sendo um contraponto ao Buraco, com sua feiura e decadência. E muita coisa fica sugerida, muitas são as perguntas. Quem é o cara que aparece dentro da boca de Caiman, sempre que ele abocanha um feiticeiro? Qual a verdadeira identidade do homem-lagarto? E Nikaido, quais são suas reais motivações?

Esta é uma adaptação do mangá homônimo da autora Q Hayashida

Com uma animação primorosa e muita ação, Dorohedoro é um anime interessante e imersivo. Uma excelente escolha para quem quer se divertir e não tem medo de uns diabinhos e um monte de sangue.

sexta-feira, fevereiro 16, 2024

Dissoluto

https://pixabay.com/users/andreas160578-2383079/


Dedos deslizam

em minha pele.

Cada toque leva

um pouco de mim.

Sou luz

E dissolução.

Refaço notas

de uma ária

selvagem.

Sou o único 

habitante

de um universo chamado:

Espera.

E resignado deixo

que o vento entoe

Canções que nunca

dizem quem sou.

quarta-feira, fevereiro 14, 2024

Grande novamente

https://pixabay.com/users/ljcor-3559387/

Não me lembro de ter sentado no colo de meu pai. Lembro-me, sim, de ter subido em seus ombros. Segurava com minhas mãos pequenas a sua grande testa e repousava o queixo em sua cabeleira farta. Meu pai era um homem baixo. Pra mim, porém, era enorme.

O tempo e um divórcio nos afastou. A distância também se fez presente no campo físico. Cidades e estados diferentes nos separavam. Meu pai, antes enorme, foi diminuindo até desaparecer. Até mesmo das fotografias.

Certa vez, viajamos para o Rio e minha mãe tentou uma reaproximação nossa com o meu pai. Ele estava em seu terceiro casamento, e um quarto filho, que a gente não conhecia. Ele resolveu sair do Realengo e nos visitar lá na Tijuca onde estávamos hospedados. Foi assim. A campainha tocou. Fui até a varanda do apartamento de segundo andar para ver quem era e deparei-me com ele, com sua baixa estatura (ainda era alto pra mim) e seus olhos azuis. Estava com a mão erguida na altura dos olhos, para protegê-los do sol.

Com o choque, corri e me escondi debaixo da cama. Sentia pânico desse estranho tão familiar, tão meu. Minha mãe foi me buscar e tentar reconciliar-me com o meu pai. Não foi fácil, mas no fim, eu aceitei sua presença e partimos, com meu irmão e minha irmã, para o Realengo.

No caminho, paramos em um açougue. Meu pai comprou alguns quilos de carne para nós. Era uma época em que carne era sempre uma festa. Ele pediu que o açougueiro passasse o bife "naquela máquina esperta". O efeito da tal máquina era deixar o bife mais macio, creio eu. Um rolo compressor com pinos que espremiam a carne. Mas a coisa mais curiosa era que o pedido de meu pai me fez sentir orgulho dele. Era como se tudo que meu pai fizesse ou falasse fosse algo digno de nota, tamanho era meu deslumbramento. Naquele momento, em que fazia um pedido trivial cheio de maneirismos e da simpatia carioca, meu pai ganhava dimensões quase míticas. Ele era novamente grande. Melhor ainda, era meu.


segunda-feira, fevereiro 12, 2024

Aprendiz da imperfeição - Alcançando o inalcançável



O menino busca em um velho pintor o mestre que precisa. O pintor reluta em aceitá-lo como aprendiz e, mesmo após fazê-lo, não lhe dá aulas, deixa apenas que o garoto cumpra tarefas domésticas e lixe as telas até ficarem lisas o bastante. Mas nunca é o bastante.

Um dia, o pintor ordena ao aprendiz que se ausente por um  certo tempo. Quando retorna, o garoto vê que o mestre terminou a obra da sua vida, uma tela perfeita, que atrai muitos admiradores. Mas a perfeição é insuportável para o velho mestre. Nem vendê-la ele consegue. Como seguir com sua vida, agora?

O livro Aprendiz da imperfeição, de Pieter van Oudheusden e Stefanie De Graef, carrega uma narrativa profunda que se constitui numa fábula sobre a enganosa busca pela perfeição, que é intangível. Não que essa busca não seja importante, mas o fundamental é o processo e não o resultado; o caminho e não o fim. 

É curioso que quando vai executar a obra-prima, o ancião manda o aprendiz se ausentar, como se fosse necessário que cada um buscasse seu próprio caminho de perfeição. Esse caminho não pode ser copiado, é íntimo e secreto. Sem questionar, o menino obedece. Outra questão interessante é o aprendizado pela observação. As lições tomadas pelo aprendiz foram longas e silenciosas caminhadas. Nelas, o mestre parava para contemplar e era também contemplado pelo aprendiz, que buscava capturar o olhar do velho pintor.

Por fim, ressalto que produzir a obra prima poderia ter causado um efeito no mestre de forma a concluyir que não haveria mais nada a ser feito. Po´rem, não é isso que o velho pintor quer. Ele não quer se aposentar, não quer descansar, não quer viver no luxo e na riqueza. Ele quer continuar procurando. E creio que sua conclusão foi que a busca pela imperfeição calculada, deliberada, é tão desafiadora quanto a busca pela tão alardeada perfeição.

Observei que foi escolhida a ilustração digital como técnica para os desenhos. Essa escolha a princípio me incomodou, mas então percebi que os desenhos dialogam como essa idiea de perfeição, com um elemento figurativo quase perfeito, mas cores brutas, marcantes. Não são desenhos com texturas suaves, mas cores chapadas, o que a proxima a ilustração da ideia de imperfeição. Há um certo diálogo estético com as ilustrações orientais antigas, mas como uma sutil referência.

Quanto à linguagem, o texto é leve, poético e repleto de pausas. É um texto maduro, difícil mas igualmente compensador. Senti-me comovido por vários momentos enquanto eu lia.

Talvez, entender a imperfeição como seu novo e verdadeiro ideal, o velho pintor tenha alcançado uma certa paz; uma paz que o fez ver para além da aparência. Ou não. Talvez o tenha percebido que a perfeição é mesmo insuportável e que escapar dela também pode ser uma dádiva.


Ficha Técnica

Aprendiz da imperfeição

Pieter van Oudheusden, Stefanie De Graef

Tradução de Cristiano Swiesele do Amaral

ISBN-13: 9788564974630

ISBN-10: 8564974630

Ano:2015 

Páginas:32 

Idioma: português

Editora: Pulo do Gato


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/aprendiz-da-imperfeicao-575210ed576125.html

sexta-feira, fevereiro 09, 2024

Canto

https://pixabay.com/users/ri_ya-12911237/



Beija-me com os beijos 

de tua boca 

porque mais saborosos 

são teus beijos 

que o chocolate.


Não te comparo 

às éguas do Faraó, 

mas às possantes 

Ferraris 

do mais recente popstar. 


De teus lábios 

destilam 

as salinas mais seletas 

jorram saborosas 

cervejas de trigo 

frutadas 

encorpadas 


Beija-me 

mas não quero 

amor casto 

quero carne dos teus lábios 

Sangue e seus períodos 

fluidos e odores 

e bagunçar teus cabelos.


Quero-te nua 

não santa 

ou puta 

só tua. 

Quero-te fogo 

deusa 

potência. 

Quero-te para além 

dos sentidos 

Para além das palavras 

e seus desvãos.

Beija-me.

quarta-feira, fevereiro 07, 2024

De mudança em mudança

https://pixabay.com/users/msaeedsalem-5655159/

Minha infância foi pautada por mudanças. Do Rio de Janeiro para Belo Horizonte, Minas Gerais, de volta ao Rio e depois para Teófilo Otoni, em Minas. Nessa cidade do interior de Minas, também me mudei algumas vezes. No fim da infância, viemos todos para Belo Horizonte, onde estamos estabelecidos desde então.

Da mudança para Teófilo Otoni, lembro-me da viagem para lá. Eu tenho essa memória de acordar ainda no ônibus e ver morros suaves no lugar de montanhas. Esses morros eram salpicados de árvores e davam uma paz tão grande! Estava curioso com a nova cidade onde moraria. É engraçado como não me lembro bem do processo de mudança. Só me lembro de estar lá, já estabelecido, nem desfazer minha mala está em minha memória. Talvez eu mesmo não tenha desfeito essa mala, por conta da idade.

Lá em Teófilo Otoni, fui matriculado em uma escola pequena, particular. Algo que levei comigo foi a dificuldade de aprendizado. Uma das coordenadoras chegou a sentar do meu lado e tentar me explicar algo básico: como copiar um texto sem transcrever palavra por palavra, mas a frase toda. Ela dizia: "Leia a frase inteira, ou um pedaço dela, guarde essa frase na cabeça e depois escreva no caderno." Nem isso eu conseguia. Ela acabou desistindo. Depois, fui para uma escola pública que levava o nome da cidade. Foi lá que eu descobri o prazer da leitura.

Da separação dos meus pais, levei os vazios das fotos. Digo vazios porque um dia eu e minha irmã cortamos nosso pai das fotografias, achando que ele era um estranho. Perguntamos para minha mãe se podíamos cortar o estranho das fotos e ela autorizou.

Em Teófilo Otoni, encontramos novas possibilidades de existência. As mudanças, porém, não acabaram. Do Centro, nos mudamos para o Boiadeiro e, de lá, para o Bairro São Jacinto. No Boiadeiro conheci a arte de amar as galinhas. Tive uma de granja, toda branca, que amei até ela desaparecer na vida. Ou na panela, talvez. 

No São Jacinto criamos coelhos, além das galinhas. Fomos morar em uma casa bem simples, com paredes de barro que descarnamos do reboco numa reforma. A casa foi transformada. Porém, antes de ficar pronta, partimos para Belo Horizonte. 

Nossas vidas de mudanças não acabaram, porém. Em Belo Horizonte, conhecemos os bairros Lagoa e Jardim Europa. Nosso pouso definitivo foi no Céu Azul, numa região conhecida como Garças. 

Ah, quem dera aquele lugar fosse um paraíso. Revelou-se purgatório, ao menos. Descarregar tijolos, peneirar areia, levar baldes de cimento nas costas. Todo esse trabalho foi para erguer uma casa do zero. E se tornou a casa de minha mãe e meu padrasto, até hoje. Quase trinta anos se passaram e essa casa nunca ficou pronta completamente. Seu projeto original nunca foi concluído e ela passa por reformas que a alteraram completamente. 

Trinta anos. Sim, após uma infância repleta de mudanças, estabeleci-me em Belo Horizonte. Essa família que chamo de minha, fragmentada e remendada novamente, reconfigurada a partir de novos integrantes, é também reflexo da minha própria existência, fragmentada, dividida e reconfigurada. E continuo buscando um sentido. Não sei qual, mas sigo em busca. O que fazer quando encontrá-lo? Aí, sim, talvez minha vida comece de verdade.

segunda-feira, fevereiro 05, 2024

Via Ápia - Cinco vidas, uma invasão


Washington e Wesley são irmãos. Ambos trabalham em uma casa de festas. Enquanto Washington é movido pela força do ódio, Wesley segue suave, juntando seu dinheiro e planejando o futuro. Os dois moram na Cachopa, com sua mãe, Dona Marli. Douglas é entregador em uma farmácia. Murilo é militar e Biel levanta algum dinheiro ocasionalmente vendendo drogas. Os três moram em um apartamento na Via Ápia, principal rua comercial e residencial da Favela da Rocinha.

A vida desses cinco jovens muda para sempre quando a UPP - Unidade de Polícia Pacificadora - invade a Rocinha, instalando um ambiente de horror para os moradores.

Via Ápia, primeiro romance de Geovani Martins, é um visceral relato de denúncia da violência policial na guerra às drogas. O romance não procura idealizar o uso de drogas ilícitas, algo largamente consumido na favela, mas busca traçar uma trajetória contrária à criminalização. O que está em voga é a exclusão social, que potencializa a violência, e a desigualdade.

É impossível não torcer por esses cinco jovens, todos usuários de maconha, para que seu destino não seja como de tantos outros: estatísticas da violência policial e social.

Geovani Martins escreve um livro controverso e ousado, usando do registro linguístico da favela, sem no entanto soar hermético ou forçado. Sua habilidade traz naturalidade à narração e às falas.

Os personagens passam por profundas transformações, tanto para o bem quanto para o mal. Cada um deles é movido por um sonho, um anseio. Douglas quer ser tatuador. Washington deseja um trabalho com carteira assinada. Murilo anseia sair do exército. Wesley sonha ser mototáxi. E Biel? Biel, antes de tudo, quer pertencer a algum lugar. 

Outras personagens se destacam na narrativa. Uma delas é Gleyce Kelly, que divide os corações dos amigos Washington e Douglas. Gleyce tem o desejo de fazer faculdade, de cursar cinema. Sua luta por um futuro é pautada pela educação. Dona Marli, mãe de Washington e Wesley, também se destaca, por sua força e resiliência, por ter criado sozinha dois homens, incutindo neles o senso de honestidade e de trabalho.

Cada personagem tem sua profundidade e seus conflitos. A revolta pela violência que sofrem da polícia é uma constante. Eles não querem se adequar, se acostumar. São inconformados com o sistema. E com razão.

Vivem uma realidade dura, de falta de água e de energia, da ameaça constante da polícia. Sim, aqui a polícia é duramente criticada. Corrupta e despreparada, ela entra na favela para esculachar o cidadão. Portanto, o texto é direto em suas duras críticas à força policial do Rio de Janeiro.

Com uma narrativa aguda e controversa, uma visão diferenciada e crítica sobre a guerra às drogas, Via Ápia é um romance forte, profundo e contundente. É também um manifesto à vida é a cultura da paz, que deve ser buscada onde quer que estivermos.


Ficha Técnica

Via Ápia

Geovani Martins

ISBN-13: 9786559211180

ISBN-10: 6559211185

Ano: 2022 

Páginas: 344

Idioma: português

Editora: Companhia das Letras


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/via-apia-12222387ed12203488.html

sexta-feira, fevereiro 02, 2024

Busca

https://pixabay.com/users/felixmittermeier-4397258/


Eterno pó dos astros que observo agora;

Qual meu pequenino peito, o firmamento chora.

Que vista tão suave, tão singela e pura!

É neste bom momento que almejo cura.


Sei que minh’alma é fraca, vil, pobre e escura;

Cercada de temores, repleta de fissuras.

Que por essas brechas penetre, eu espero,

O belo resplendor de um amor sincero


Que limpe finalmente as profundas chagas.

Sem descansar persisto buscando sobre as vagas

Desse mar tão duro e ácido que causa mais feridas

Reflexo doloroso de tantas despedidas.


E não desistirei, espero encontrar.

Em frente seguirei meu triste caminhar

Eterno caminheiro, cantando em seu caminho

O canto de esperança em não andar sozinho.


quarta-feira, janeiro 24, 2024

Lembra-te

https://pixabay.com/users/gdj-1086657/


Os ruídos são muitos. Roem as roupas que o tempo veste. São como ratos compondo uma sinfonia. Linguagem desmotivada, absurda. Os ruídos com suas várias patas rabiscam na areia dissonâncias. Sussurros. Caindo. Ascendendo. Obliquamente se deslocando como lágrimas evaporadas. Sangue-fátuo. Luminosidades mórbidas. Um monumento ao absurdo.

Seriam os ruídos sons surdos? Um baque surdo é um ruído que maltrata a mente. O coração bate surdo. É absurdo o esforço que um coração faz ao bater e bater. Ou melhor ba-ter, ba-ter, ba-ter. Prendo a respiração e o peito parece bater mais forte.

Há anos que meu coração esmurra meu peito. Se pudesse, ele gritaria. Bomba de microexplosões, meu coração é um atentado. Oferta ao deus absurdo. Caos milimetricamente executado.

Angústia é ruído. Ruído é música. Melodiosamente a angústia costura em minha pele suas linhas de abandono. Assim eu me abandono também. E me abano. E conto os danos. São tantos.

Ontem morreu alguém. E também hoje. Um rasgo na tessitura da vida. A morte é traça e ruído. Se cada morte é ruído, esse conjunto compõe uma melodia chorosa e revolta. O corpo nem esfriou, o copo nem esvaziou, mas a folha já se rasgou numa delícia obscena. Foi-se. Foice.

Nunca o mundo esteve em silêncio. Os ruídos continuam. As mortes nem mais se contam. Natureza morta. Memento mori


segunda-feira, janeiro 22, 2024

O Lobo da Estepe - As existências e transformações de Harry Haller



Harry Haller é alguém dividido. Em seu interior, homem e fera combatem entre si. Os ideais civilizatórios e burgueses vivem em conflito com a imagem de um lobo, selvagem e feroz. É o Lobo da Estepe, que ao mesmo tempo que orienta a personalidade de Harry, também o assombra e aterroriza. 

Romance escrito por Hermann Hesse, esta é uma obra profunda e enigmática. Conta sobre esse indivíduo inteligente e culto, em crise consigo e com o meio em que vive, a burguesia. Harry sente angústias atrozes, a ponto de querer acabar com a própria vida. 

Por conta dessa agonia e da insistente vontade de se matar, Harry sai à rua para caminhadas longas e angustiadas. Em uma delas, o protagonista se vê diante de um letreiro onde está escrito "O Teatro Mágico" e tem contato com um livreto que misteriosamente fala de sua vida, "Tratado do Lobo da Estepe". É um texto que não apenas traça um perfil dele mesmo, mas também procura desconstruir a dicotomia em que este se encontra. 

Harry costuma falar de si mesmo como o Lobo da Estepe. E ao ler o livreto, ele vê o quanto essa divisão interna é enganosa. O texto defende que dentro de cada homem vivem vários, inúmeros. E essas existências várias vão moldando o ser na sua suposta individualidade.

Além disso, Harry deseja conhecer "O Teatro Mágico". Interessado em adentrar nesse recinto, ele tem seu acesso impedido, uma vez que a entrada é garantida "apenas para raros". Ou seja, apenas indivíduos excepcionais poderiam adentrar o misterioso recinto. Ou seriam loucos? Essa ideia chega a flertar com Harry.

E então sua vida passa por uma reviravolta quando ele conhece Hermínia. Inteligente, perspicaz, bonita e talentosa, ela se torna uma espécie de tutora de Harry e o ensinará a "viver", a partir das aulas de dança que irá ministrar-lhe. Ela o introduzirá na vida dos bailes e festas. Além disso, através de Hermínia, Harry conhecerá Maria, com quem terá um romance ardente e transformador.

Outro indivíduo importante no percurso de Harry será Pablo, um músico de jazz. A princípio, ele surge como uma pessoa superficial e inócua. Contudo, Pablo assumirá em certo momento o papel de mentor de Harry, através da experimentação de drogas psicodélicas e experiências sinestésicas, dentro do enigmático Teatro Mágico.

O Lobo da Estepe é antes de tudo uma obra densa. Um texto repleto de digressões e especulações filosóficas do narrador-protagonista, o livro conta também com um longo prefácio, o qual procura apresentar esse mesmo protagonista como alguém real, que teria sido inquilino da casa em que Hermann Hesse morava. Assim, temos dessa forma um perfil psicológico do narrador-protagonista, numa introdução que busca preparar o leitor para a longa e enigmática de autodescoberta de Harry Haller.

Com um texto profundo, repleto de referências culturais e que busca apresentar camadas filosóficas ao enredo, O Lobo da Estepe é uma obra instigante, incômoda e, sobretudo, transformadora. Um livro para ser visitado pelo leitor de tempos em tempos, com a certeza de que, a cada leitura, um novo ser humano surgirá dessa experiência.


Ficha Técnica

O Lobo da Estepe

Hermann Hesse

ISBN-13: 9788577991075

ISBN-10: 8577991075

Ano: 2009 

Páginas: 252

Idioma: português

Tradutor: Ivo Barroso

Editora: BestBolso


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/o-lobo-da-estepe-1338ed406172.html

sexta-feira, janeiro 19, 2024

Morro de poesia




Morro de poesia

a cada dia

que sou assaltado

pela presença 

da tua 

Falta.


Os dias esmaecem

Só desfalecem 

Eu sigo lamentando

rouco murmúrio 

Teu vazio

em mim.


Eu vago sem motivo

Sou fugitivo

do que já foi o amor

Proscrito clandestino 

reflexo contínuo 

da dor.



quarta-feira, janeiro 17, 2024

Todas as histórias que já contei


Faz algum tempo que eu desejava fazer aqui no blog um registro de todas as histórias que já contei. Algumas delas eu esqueci, confesso. Outras, estão tão vívidas como sempre estiveram, de tanto que eu continuo a contá-las.

O exercício de contar histórias, para mim, é também um movimento de guarda e preservação das mesmas. Ao contar histórias, eu as estou "guardando" pois, como diz Antonio Cicero, "Em cofre não se guarda coisa alguma / Em cofre perde-se a coisa à vista". Sendo assim, ao transmitir essas narrativas e também ao registrá-las aqui, eu contribuo para que elas permaneçam.

Esta será uma lista dinâmica. Ela irá crescer à medida que eu for expandindo meu repertório. Além disso, quero produzir versões em escrito das histórias de tradição oral. A partir desses registros, contando com minhas palavras, pretendo fazer o link do título de cada história com a postagem do registro. 

Conto com as contribuições e comentários de todas as pessoas, para que esta postagem esteja cada vez mais rica, e que este tesouro possa enriquecer também seus repertórios e pesquisas.

1. A mulher sábia;

2. O jovem rei;

3. Uma questão de interpretação;

4. O mordomo fiel;

5. O conto do vigário;

6. Os 3 soldados e a princesa nariguda;

7. Anansi e a busca impossível;

8. As penas do dragão;

9. Chapeuzinho Amarelo;

10. Que bicho será que fez a coisa?

11. O caso do bolinho;

12. Um herói bem diferente;

13. Uma visita inesperada;

14. O carvalho;

15. A Fada Feia e a Bruxa Bela;

16. A viúva piedosa e o ateu impiedoso;

17. O filho mudo do fazendeiro;

18. A quase morte de Zé Malandro;

19. Nasrudin e a Morte;

20. O pássaro, o rato e a linguiça;

21. Nasrudin e o viajante;

22. Nasrudin no poste;

23. Nasrudin e o cavalo;

24. O cavalo de madeira;

25. Uma ideia toda azul;

26. A língua (quem te matou, caveira?);

27. Carne de língua; 

28. O homem sem sorte;

29. O nabo gigante (Grimm);

30. A flauta de osso? (Grimm);

31. Os 3 jacarezinhos;

32. O causo do caçador;

33. O causo da garrucha;

34. O causo da dentadura;

35. O Quibungo;

36. Miserinha;

37. O cheiro do pão;

38. O Bichão;

39. O cameleiro de Bagdá;

40. A última folha verde;

41. A Bruxa Salomé;

42. Lucum a la pistache;

43. Os 3 desejos e a linguiça;

44. O único desejo;

45. Lolô;

46. O pássaro da verdade;

47. A história da coca;

48. A procissão das almas;

49. O lobisomem;

50. O peixe luminoso;

51. Raposa;

52. A promessa do girino;

53. As trapalhadas de Zé Bocoió.

segunda-feira, janeiro 15, 2024

Balada de amor ao vento - Uma vida inteira de amor



A linda Sarnau está apaixonada. Seu coração foi capturado pelo belo Mwando. Há, porém, muitas dificuldades esperando esse possível romance. Mwando está estudando para ser padre. O amor dos dois será mais forte que a suposta vocação do rapaz? Este é um dos muitos percalços que Sarnau irá enfrentar para viver este amor.

Balada de amor ao vento, romance de estreia de Paulina Chiziane, é uma narrativa poética e melancólica, repleta de saudade e tristeza. No primeiro capítulo, Sarnau já se aproxima do fim de sua vida e começa a se lembrar dos encontros e desencontros que teve com Mwando. Como narradora, ela vai desfiando essas memórias. O amor se realiza, com Mwando correspondendo aos sentimentos de Sarnau e sendo por isso expulso da escola de padres. Os dois se entregam a esse amor, mas logo Mwando é prometido a outra mulher.

Sarnau pouco tempo tem para sofrer essa desilusão amorosa, pois ela é logo escolhida para ser a primeira esposa do príncipe herdeiro de Mambone. O casamento, porém, não será dos mais perfeitos. Nguila, o herdeiro do trono, além de mulherengo é violento e isso tornará a vida de Sarnau terrível.

A narrativa então se desdobra em duas, contando para nós, leitoras e leitores, a vida tanto de Sarnau quanto de Mwando, de forma intercalada.

A narrativa de Paulina Chiziane é maravilhosamente profunda e repleta de reflexões. As descrições resultam em imagens poéticas lindas, com elementos pitorescos e naturais. Nas digressões que Sarnau faz como narradora, ela denuncia todo o machismo da sociedade em que está incluída, em especial os efeitos funestos da poligamia. O sofrimento da mulher é evidenciado nesse processo.

Mwando também tem sua cota de tristezas. Em seus encontros e desencontros com o amor, ele também sofrerá e não será pouco. Porém, diferentemente de Sarnau, Mwando será o maior responsável por seus próprios sofrimentos. Ele não deixa, porém, de ser também uma vítima do sistema em que vive, sendo assim um homem de contradições.

Com uma prosa poética e de certa forma idílica, além das denúncias que carrega e o enredo repleto de percalços, Balada de amor ao vento é um livro belo e triste. Mas daquelas tristezas que não podemos deixar de evitar. Um livro que, como a vida, é feita de encontros e despedidas.


Ficha Técnica

Balada de amor ao vento

Paulina Chiziane

ISBN-13: 9789722115575

ISBN-10: 972211557X

Ano: 2003 

Páginas: 149

Idioma: português de Portugal 

Editora: Editorial Caminho


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/balada-de-amor-ao-vento-67544ed74571.html

sexta-feira, janeiro 12, 2024

Perseguindo a Poesia

https://pixabay.com/users/dariuszsankowski-1441456/


Queria escrever Poesia

mas essa danada

me escapa.

Tento costurar palavras

que possam seduzir 

olhares alheios. 

Sou porém um escritor 

medíocre. 

Tento e tento

mas a Poesia me escapa. 

Frustrado, ponho-me a ler.

E penso: 

por que não posso 

escrever assim? 


quarta-feira, janeiro 10, 2024

Ler é um ato de amor

https://pixabay.com/users/ulleo-1834854/

Para Thuya

Eu amo ler. E acho que ler é um ato de amor. De autoamor, principalmente. Mas também um ato de amor para com alguém desconhecido. Um amor clandestino e estranho. Afinal, a gente está dando um pouco do nosso tempo, que é algo que a gente tem de mais precioso, para ler as palavras dessa pessoa. Para entrar em contato com o seus ensinamentos e ideias. E por mais que a gente tenha o nome dessa pessoa, conheça a sua biografia e tal, ela é uma estranha. A não ser no caso de cartas. Aí esse amor não é clandestino ou estranho. Isso, geralmente. Pode ser que o seja mesmo assim. 

Mas por que ler é um ato de autoamor? Porque quando a gente lê, está investindo tempo de qualidade em si mesmo. Ler não é se distrair, mas inaugurar um espaço íntimo de encontro consigo. Através da leitura, a gente está investindo em nossa imaginação, enriquecendo nossa criatividade. Através da leitura, estamos criando conexões neurais que são fundamentais para a nossa saúde mental. Além disso, é através da leitura que a gente entra em contato com experiências que muitas vezes seria impossível ter. Nossa mente é reconfigurada quando lemos. Ainda mais quando é literatura.

Voltando à questão da leitura como um ato de amor, considero que a escrita também o seja. Não há leitura sem escrita, apesar de existir a leitura do mundo, tão defendida por Paulo Freire. Não questiono o grande mestre e educador. Porém, quando falamos de leitura literária, não tem como considerá-la sem o gesto de escrever. E esse é também um ato de amor. É só a gente pensar nos grandes filósofos, nos grandes professores, naqueles que buscam investigar o mundo e não apenas adquirir conhecimento, mas compartilhá-lo através de palavras, sentenças, cadeias textuais discursivas.

E quando penso em literatura, penso naquelas pessoas que separam seu tempo para escrever a um destinatário ignorado um poema, um conto, uma crônica. Essa pessoa está demonstrando um profundo amor à humanidade. Como o escritor Tiago Novaes disse, existem várias formas de demonstrar esse amor na escrita. Penso que toda escrita é um ato de sedução, pois é um amor que espera ser correspondido. A Literatura quer ser lida, acima de tudo.

segunda-feira, janeiro 08, 2024

Sidarta - O longo caminho para a iluminação



Sidarta, de Hermann Hesse, é uma leitura profunda, reflexiva, interessante e repleta de sabedoria. Hesse cria um personagem que faz um percurso acidentado e sinuoso para chegar ao tão buscado Brama, ao aconchego do Om, ao Nirvana.

Sidarta é um jovem bonito e inteligente. Essa inteligência o afasta dos seres humanos comuns a ponto de desprezá-los. Seu talento permite que aprenda com espantosa rapidez e facilidade conceitos complexos e técnicas de meditação desafiadoras. Além disso, ele tem uma beleza ímpar e um físico invejável, de forma a sempre atrair a atenção de todas as pessoas ao redor.

"Infelizmente", esse mesmo talento o lança em uma longa e tortuosa jornada em busca da santidade, da iluminação. O caminho não é fácil, é cheio de percalços e o jovem, inicialmente acompanhado por um fiel amigo de infância, logo descobre que deverá trilhar sozinho essa senda.

Ele irá buscar até mesmo junto ao comércio e à vida material essa tão desejada iluminação. Será iniciado nas artes do amor e aprenderá o valor do corpo físico, além da vida espiritual. E seu caminho não se encerrará nisso. É de fato uma senda muito tortuosa, uma jornada solitária e muitas vezes inglória. 

Hermann Hesse cria com Sidarta uma primorosa obra que funciona como alegoria para nossa própria busca espiritual. Sidarta é um e vários ao mesmo tempo. Afastando-se do caminho religioso e se lançando no mundo, o protagonista é cada um de nós. Assim, Hesse nos convida a vestir a pele de Sidarta e degustar as delícias e dores que ele atravessa.

Muito se poderia dizer desse romance relativamente. Porém, quanto mais eu escrevo, sinto que mais me afasto do enredo em si. Portanto, cabe a você, leitora ou leitor, vocês leitores, trilhar o caminho e tomar Sidarta pela mão.


Ficha Técnica

Sidarta

Hermann Hesse

ISBN-13: 9788501118295

ISBN-10: 850111829X

Ano: 2019 

Páginas: 176

Idioma: português

Editora: Editora Record

Tradutor: Herbert Caro

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/sidarta-1814ed1008204.html

sexta-feira, janeiro 05, 2024

Morri


Morri.

Ontem hoje e amanhã. 

Sim, morri amanhã. 

Morro todos os dias 

em que sua presença 

me é negada. 

A saudade mata. 

Veneno sutil 

nos faz definhar. 

Sim, definho sem 

Você. 

A cada dia 

morro um pouco. 

Agora mesmo 

sei que já 

morri. 

E o amanhã, 

mais uma vez, 

só trará a sua 

amarga

ausência 

pra me fazer morrer 

mais uma vez.

quarta-feira, janeiro 03, 2024

Vontades e intenções para o ano novo

https://pixabay.com/pt/users/nennieinszweidrei-10084616/


Então um ano novo se inicia.  Há muito o que fazer. Sempre há. No campo da blogosfera, então, nem se fala. Há quem diga que ela morreu. Quem somos nós, então, que heroicamente atualizamos nossos blogs com frequente tenacidade? Somos zumbis? Somos guerreiros? Somos heróis?

De mim, sei apenas que sou um escritor em eterno processo de formação. E este blog é o meu ateliê aberto, onde compartilho meu percurso literário e falo de meus projetos. E nada mais natural que falar deles aqui, neste texto que serve como um balanço do ano passado e ao mesmo tempo um manifesto de intenções para este que se inicia.

Em 2024, desejo publicar mais. A ideia é ter três textos por semana, sendo uma resenha na segunda, um texto livre na quarta (relato, crônica ou conto) e um poema na sexta. Tenho seguido esse padrão há um tempo, mas anda assim, em 2023 não mantive essa regularidade.

Levando em consideração que o ano tem aproximadamente 52 semanas, a meta é chegar a pelo menos 156 postagens. Mesmo assim, não terei alcançado o ano de 2021, quando publiquei 166 vezes. A gente sabe, porém, que qualidade e quantidade nem sempre cainham juntas. Por isso, não pretendo a princípio bater esse recorde.

Tenho planos também para a minha carreira literária, não apenas para o blog. Estou com um texto infantil em processo de publicação em uma editora. Vou finalmente publicar com o Rodrigo Teixeira uma coletânea de contos sortidos. O livro se chama Achei que você fosse o outro. E O Medalhão e a Adaga vai ser republicado por uma nova editora. 

Pretendo também terminar de escrever a sequência do livro O Viajante Cinzento. Aliás, há anos estou devendo a sequência de O Medalhão e a Adaga. Quero ter energia o suficiente para fazer isso em 2024. Pretendo terminar os vídeos em que leio A Cidade Suspensa. Retornar com os vídeos em meu canal é uma ideia ainda um pouco distante.

Há outras coisas que pretendo fazer, que é participar de mais eventos literários, principalmente feiras e bienais, ler mais livros sobre a formação do escritor, além de escrever aqui sobre essas leituras. Tenho como ambição ler 60 livros de literatura, sendo 40 romances e 20 livros de poesia. E quem sabe, 10 livros de teoria. Sim, é muita coisa. Mas acho que a ideia é puxar a meta pra cima, mesmo.

Enfim, como disse no início deste relato, tenho muito a fazer neste ano. E espero a companhia e os comentários de vocês, que têm testemunhado os percalços e peripécias deste escritor em constante processo de formação.

segunda-feira, janeiro 01, 2024

Batidas da Máquina Escarlate - Ação e romance em dose certa

 


Em um mundo distópico, duas pessoas se encontram. A ilha? Destra, um lugar que sustenta uma sociedade sexista onde mulheres são proibidas de lutar. Nessa ilha vive Scarlet Myr, uma mecânica e inventora excepcional, cujo sonho é se tornar a maior lutadora de todas. Ela então encontra Noah Yasha, um lutador talentoso mas um tanto ingênuo, que está com problemas com a máfia. Juntos, eles irão formar uma improvável parceria para que Scarlet por fim alcance o seu sonho.

Batidas da Máquina Escarlate é uma narrativa online presente na plataforma WattPad. Com um enredo envolvente e cativante, cheio de ação e com uma dose de romance, esta obra é uma boa pedida para quem gosta de ação mas também não dispensa um pouquinho de chamego.

Scarlet é uma personagem que nos seduz. Com seus sonhos e seu passado, ela irá fazer de tudo para alcançar seu objetivo, não poupando esforços ou energia. Ela trabalha como mecânica para uma ordem religiosa chamada Ordem Rubra e não deixa de ser um pouco rebelde. Sua beleza, inteligência e talento são claramente subutilizados nessa oficina para essa ordem religiosa.

Noah é bonito, forte mas um tanto ingênuo. O lutador tem problemas com a máfia e precisa ganhar a próxima luta contra o campeão Teech para pagar sua dívida e não dormir com os peixes. O líder da máfia tem um interessante epíteto: o Mâe.

O mundo em que a narrativa se passa é repleto de referências religiosas. Há o deus sumido, uma catástrofe chamada "a Catarse" e os anjos em conflito com a humanidade. Há muito a se entender e descobrir. Por exemplo, qual o papel dos anjos nesse mundo triste e decadente? E qual o papel da Ordem Rubra nesse mundo hipertecnológico?

Com muita ação e uma pitada de romance, Batidas da Máquina Escarlate foi uma grata leitura, divertida e interessante. Uma obra que me fez vibrar e torcer por Scarlet e Noah e que também me surpreendeu com suas reviravoltas.


Ficha Técnica

Batidas da Máquina Escarlate

Autor Tiago F. Ribeiro

Link para o Wattpad: https://www.wattpad.com/story/351476853-%F0%9D%99%B1%F0%9D%9A%8A%F0%9D%9A%9D%F0%9D%9A%92%F0%9D%9A%8D%F0%9D%9A%8A%F0%9D%9A%9C-%F0%9D%9A%8D%F0%9D%9A%8A-%F0%9D%99%BC%C3%A1%F0%9D%9A%9A%F0%9D%9A%9E%F0%9D%9A%92%F0%9D%9A%97%F0%9D%9A%8A-%F0%9D%99%B4%F0%9D%9A%9C%F0%9D%9A%8C%F0%9D%9A%8A%F0%9D%9A%9B%F0%9D%9A%95%F0%9D%9A%8A%F0%9D%9A%9D%F0%9D%9A%8E