sexta-feira, abril 09, 2021

A Tartaruga e o Coelho: uma outra história - Quando as diferenças aproximam


Nossa tradição oral é recheada de narrativas de exemplo. Bem no estilo das fábulas, temos histórias que exaltam valores como a paciência, a persistência e a astúcia, em contraponto à força, ao tamanho e à agilidade. Nessas narrativas, o macaco vence a onça, o rato supera o leão, a tartaruga ultrapassa o coelho. É possível perceber nessas histórias sempre uma constante: a concorrência. Os animais sempre aparecem como adversários, concorrentes, inimigos. 

Como uma forma de homenagear o conto popular e ao mesmo convidar leitoras e leitores para a reflexão, a escritora, contadora de histórias e musicista Beatriz Myrrha nos brinda com uma obra de rara beleza, sem abrir mão do humor.

A Tartaruga e o Coelho: uma outra história apresenta uma versão bem diferente daquela tradicionalmente contada. Beatriz Myrrha se vale de toda a criatividade e talento que possui para tecer uma narrativa de solidariedade, empatia e afeto. Ambientada no período em que o Criador fez o mundo, a história fala sobre a busca por identidade e aceitação, de solidariedade e amor. 

Com o objetivo de entender melhor sua função no mundo, o Coelho decide partir em busca da moradia do Criador, de forma a pedir seu manual de instrução e seu certificado. No caminho, encontrará a Tartaruga e com ela empreenderá uma penosa jornada de autoconhecimento.

A história que Beatriz Myrrha conta é profunda, bem-humorada e cheia de leveza. Seu texto, enriquecido pelos anos de experiência como contadora de histórias e musicista, é aconchegante, atrativo e belo. Tem o estilo certo de alguém que trata a Palavra com muita seriedade. 

Destaco também o traço belo e marcante de Suryara Bernardi, que torna o livro uma obra visual de profunda beleza. É possível observar o estilo de um desenho que cativa, com o mesmo aconchego que perpassa o texto. As imagens também contam a história e apresentam uma evolução em cada um dos dois viajantes.

Este é mais um dos maravilhosos trabalhos de Beatriz Myrrha, uma artista múltipla, que mostra no seu texto o cuidado e a generosidade de alguém que trata a Arte da Palavra com todo o cuidado que esta merece.



Ficha Técnica

A Tartaruga e o Coelho: uma outra história

Beatriz Myrrha

Ilustrações de Suryara 

ISBN-13: 9788562805615

ISBN-10: 8562805610

Ano: 2016 

Páginas: 40

Idioma: português

Editora: Rona


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/a-tartaruga-e-o-coelho-uma-outra-historia-11870677ed11868277.html

Ela e os acidentes de leitura


Para Norma de Souza Lopes

Eu aprendi poesia na Bíblia

disse ela sobre seu percurso

com as letras da música pop

foi formando seu repertório.

Leu muita Sabrina, muita Bianca

E se não tivesse lido, ela pergunta,

será que seria outra?

E declara: esses acidentes literários

me constituíram.

Assim, eu bebo com sofreguidão

todas as suas palavras

e com elas tento aprender

quarta-feira, abril 07, 2021

Vídeo: A Cidade Suspensa - Capítulo V

 


Estamos aí com mais um capítulo do meu livro A Cidade Suspensa. Para conferir, é só clicar no vídeo acima.

Distopia sanitária II


Jair Carluxo estava exausto. Ao começar aquela semana, o inspetor de polícia nunca imaginaria que teria um caso daqueles em suas mãos. Talvez ninguém imaginaria. Afinal, vinte anos depois do Grande Expurgo dos Assintomáticos, era a primeira vez que um homicídio culposo por covid acontecia.

O inspetor Jair Carluxo Bolsominion Rodrigues foi chamado à sala do Superintendente no início da semana. Com tantos anos de trabalho, imaginou que não deveria ser algo importante. Talvez mais um convite para se filiar ao Partido da Fé em Cristo, ou para a Associação de Bolsonaristas Históricos. Foi com grande surpresa quando descobriu que tinha em seu colo um Inquérito de Óbito Sanitário. E pior ainda foi saber que a causa da morte era Covid-23.

Agora a semana ia pelo meio e o policial estava exasperado por se ver em um beco sem saída. E não era para menos. Ninguém falava de assintomáticos desde o Grande Expurgo. E com a tecnologia de rastreamento genético, qualquer óbito causado por agente aéreo transmissível poderia identificar o transmissor. 

O grande problema, porém, era que o DNA coletado não estava presente no banco de registro de assintomáticos. Com tantos postos de controle, era impossível que alguém com sintomas andasse livremente pela cidade. Ou então o assintomático teve seu registro apagado deliberadamente. 

Jair Carluxo suspirou. Precisava de respostas e com urgência. Dois ou três influencers já pressionavam a Secretaria de Segurança Semipública para noticiar aquela morte. E o superintendente continuava a insistir que precisava tuitar o nome do suspeito até sexta-feira, mesmo que tivesse que apagar depois.

O inspetor de polícia ignorava, mas já havia cruzado com o assintomático no meio daquela mesma semana. E assim como a vítima daquele caso, Jair Carluxo logo estaria morto.

sexta-feira, abril 02, 2021

A Rainha da Neve - Histórias grandes e pequenas sobre amor e ternura


Uma menina que vai até o ponto mais gelado do mundo para salvar seu amigo de infância. Um casal apaixonado cuja história é recontada e revivida a partir de um sabugueiro. Uma gola que passa a se achar muito importante, só porque foi aparada por uma tesoura. Estes são alguns dos contos que fazem parte da coletânea A Rainha da Neve, o segundo volume de uma coleção da Livraria do Globo (que um dia iria se tornar Editora Globo).

A Rainha da Neve pega emprestado o título do primeiro conto deste volume. Dá para perceber o caráter fantástico dos contos, embora haja narrativas carregadas de um caráter de crítica social. Em A Rainha da Neve nós podemos perceber um tom esperançoso, luminoso nos contos que compõem este volume. Há também um tom de humor prosaico, ingênuo, em muitas das narrativas.

Neste volume, há alguns dos mais famosos contos de Andersen. Entre eles, "Os cisnes selvagens", que inspirou meu livro Patos Selvagens, "A pequena vendedora de fósforos", que nele recebe o título "A menina dos fósforos", "O soldadinho de chumbo" e finalmente "O rouxinol". É importante destacar também a primorosa ilustração desta obra. Os desenhos, lindamente feitos por Roswitha Wingen-Bitterlich acabam por conferir o tom mágico e maravilhoso ao conjunto da obra.
 

Ninguém pode negar a importância de Hans Christian Andersen para a literatura infantil mundial. Tanto que seu aniversário, dia 2 de abril, marca justamente a celebração internacional do livro infantil. Andersen, em seus contos, mostra profunda sensibilidade e imaginação. Outro ponto a se observar em muitas das obras de Andersen é o protagonismo feminino. Porém, muitas vezes estas protagonistas acabam por ser obrigadas a grandes sacrifícios e provações. Muitas delas fatais.

Aproveito para destacar que o motivo que me levou a escolher o segundo volume para começar a ler esta coleção foi puramente afetivo. Tenho uma memória antiga de um conto de minha tia Evelyn Medina, inspirado justamente no conto "A Rainha da Neve". Fui descobrir essa relação muitos anos depois. Porém, a imagem do espelho se estilhaçando e um pequeno fragmento entrando no coração de um menino foi forte o suficiente habitar minha imaginação por longos anos. Como muitas de minhas leituras, devo à Tia Beve a busca incessante de uma imagem descoberta em minha infância, finalmente encontrada por entre as páginas amarelecidas do livro A Rainha da Neve.

Feliz Dia Internacional do Livro Infantil.


Ficha Técnica

A Rainha da Neve

Hans Christian Andersen

Ilustrações de Roswitha Wingen-Bitterlich

Tradução de Pepita de Leão

Ano: 1959 

Páginas: 319

Idioma: português

Editora: Editora Globo


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/a-rainha-da-neve-75132ed437388.html

quarta-feira, março 31, 2021

Vídeo: A Cidade Suspensa - Capítulo IV


 

Saudações, leitoras e leitores! Hoje eu venho com o quarto capítulo do meu livro A Cidade Suspensa. Agradeço a audiência e os comentários!

Amadurecido


Via um novo começo de era

de gente fina, elegante e sincera,

mas percebeu que a humanidade

anda a passos de formiga e sem vontade.


sexta-feira, março 26, 2021

Sob o caminho uma rajada de ventos - Um olhar da quebrada para o mundo


A quebrada é um lugar muito em voga hoje em dia. Afinal, várias pessoas estão surgindo da periferia com suas vozes, suas identidades, suas percepções do mundo e, principalmente, suas histórias. Da quebrada surgem discursos da chamada "literatura marginal", contrapondo-se contra discursos dominantes, conservadores e homogeneizantes.

Karine Bassi é uma dessas vozes que emergem da quebrada. Uma autora jovem que assume em si a realidade do termo "escrevivência", onde uma voz encarna não uma idinvidualidade, mas uma identidade coletiva, muitas vezes silenciada. Como escritora, editora e agitadora cultural, Karine Bassi tem um percurso já longo. Agora, ela se lança com muita propriedade na publicação de seu primeiro romance, Sob o caminho uma rajada de ventos.

A narrativa fala de Sofia, uma jovem universitária que mora sozinha em uma periferia de Belo Horizonte. Escrito em primeira pessoa, o texto apresenta os receios, as esperanças e principalmente as estratégias de sobrevivência da jovem, enquanto ela discorre de suas esperanças, seus receios e amores. Há um tom de denúncia no texto, embora o mesmo não seja carregado ou revoltoso. Sofia tem um discurso equilibrado, calmo, apesar de toda a luta e sufoco que ela passa.

Poético, consciente e fluido na leitura, o romance de Karine Bassi nos envolve até o final. Um livro que se propõe aberto, apresentando um percurso difícil, mas não trágico. A história de uma mulher negra que luta, se revolta, mas não desiste e encontra beleza na sua quebrada. Ela não se conforma, continua lutando, mas não assume o discurso de superação que a sociedade branca e conservadora adora utilizar.


Ficha Técnica:

Sob o caminho uma rajada de ventos

Karine Bassi

ISBN-13: 9786586656077

ISBN-10: 6586656079

Ano: 2020 

Páginas: 160

Idioma: português

Editora: Venas Abiertas


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/sob-o-caminho-uma-rajada-de-ventos-11855495ed11854221.html

quarta-feira, março 24, 2021

Vídeo: A Cidade Suspensa - Capítulo III



Olá a todas as pessoas que estão acompanhando os vídeos do meu livro A Cidade Suspensa. Compartilho nesta quarta o vídeo da leitura do terceiro capítulo.


Até a semana que vem!

O precioso tesouro do príncipe encantado

Imagem de Andreas Fiedler por Pixabay

Como todo dia, o jovem e belo Príncipe acordou cedo. Vestiu sua armadura, colocou a capa e cingiu a espada. Montou em seu cavalo branco e cavalgou através do portão do castelo.

Atravessou campos verdejantes.

Subiu e desceu escarpas assustadoras.

Singrou desertos escaldantes.

Refrescou-se em oásis deslumbrantes.

Matou três dragões medonhos.

Salvou uma ou duas princesas lindíssimas. A primeira, adormecida. A segunda, presa em uma torre que ele escalou. Deixou cada uma delas em seus reinos de origem. Elas se despediram com suspiros e promessas de beijos.

Retornou pelos desertos, escarpas e campos.

Chegou, coberto de poeira e fuligem do fogo dos dragões, ao seu castelo. Adentrou os portões. Subiu as escadas da torre mais alta de seu castelo. 

O dia findava. O príncipe sentia um profundo alívio. A melhor parte do dia estava para chegar.

Entrou no único cômodo da torre mais alta do seu castelo. Trancou a porta. Retirou a capa, pendurou a espada e deixou a armadura num canto. Foi até a o parapeito da única janela. Pousou o cotovelo no parapeito e descansou o queixo, enquanto contemplava o belíssimo pôr-do-sol.

Para enfim, tranquilamente, tirar ouro do nariz.

terça-feira, março 23, 2021

Suka - Para Suzanna Medina Dias


Desde bem pequenina

Ela já era uma fortaleza

Com sua voz de menina

Esbanjava plena certeza.


Senhora, soberana rainha

Seu nome já proclamava

Quem diria, minha maninha

Um grande futuro aguardava


E fui testemunhando

A força dela crescer

Suzanna, desabrochando,

Mostrou que nasceu pra vencer!


Feliz aniversário, minha maninha. Amo você!


segunda-feira, março 22, 2021

Um sábado de poesia, memórias e saudades


No último sábado, dia 20 de março, estive em uma laive no perfil do Instagram do Sesc Palladium. Foi um momento muito agradável e descontraído. Dividi o espaço com pessoas especiais, como a Mariana (https://instagram.com/perolasdenana), uma artista-mirim cativante. Também conheci o Jorge (https://instagram.com/oprogramadojorge), um fantoche super engraçado e a palhaça (https://instagram.com/jacubira).

O tema do encontro foi o dia da poesia, comemorado em 21 de março. Já o dia do contador de histórias era naquele mesmo sábado, 20 de março. Recitei o poema "Tombo", da amiga e mestra Norma de Souza Lopes


Depois desse encontro virtual tão bacana, segui para o outro encontro. Esse era mais sério, embora igualmente proveitoso. Foi nossa laive de homenagem ao companheiro de histórias, Márcio Rodrigues, recentemente falecido. Fizemos uma transmissão ao vivo, onde trocamos histórias e lembranças de nosso amigo. Como ele era um grande contador de causos e piadas, as lembranças trouxeram saudosos sorrisos aos nossos lábios.

Deixo aqui registrado meu agradecimento à equipe do Sesc Palladium, em especial à Vivi e à Gizele. E agradeço também ao grupo de Contadoras de Histórias da Biblioteca Infantil e Juvenil de Belo Horizonte, à Beatriz Myrrha e ao Rodrigo Teixeira.

Quem quiser conferir minha conversa no programa #Tem Todo Sábado, pode acessar o link aqui (https://www.instagram.com/tv/CMprGyNFHew/?igshid=cmuvq6gfdj22

O encontro em homenagem ao Márcio pode ser conferido abaixo:




sexta-feira, março 19, 2021

As lendas de Dandara - Uma heroína nas bordas da História



Dandara é uma figura misteriosa. Descrita como a companheira de Zumbi dos Palmares, pouco se sabe dela. A partir dessa escassez de informações, a escritora e cordelista Jarid Arraes resolveu cercar a heroína de magia e dar-lhe o caráter épico que ela merece. Assim, nascem As lendas de Dandara.

Com um ar mítico, a narrativa nos leva pela vida de Dandara, desde seu nascimento até sua "morte", ou melhor, seu retorno à essência divina. A protagonista desse romance juvenil é uma mulher determinada, destemida e cercada de um poder transcendente. Dandara é uma figura de muita força e com um talento nato para a guerra.

Ao ler a obra de Jarid Arraes, encontrei elementos muito interessantes. O primeiro é a origem de Dandara. Filha de Iansã, Dandara foi concebida pela iabá* como enviada para a libertação do povo negro, que se encontrava escravizado. Assim, a personalidade de Dandara foi sempre a de guerreira, de mulher questionadora e inventiva. A ausência da figura masculina na concepção de Dandara é emblemática, pois assim ela se coloca como uma figura divina, da encarnação da vontade de Iansã, da personalidade guerreira da poderosa iabá.

É importante destacar que a narrativa não assume uma perspectiva histórica. Apesar de haver um elemento biográfico, marcado por fatos históricos (afinal, é a vida de uma pessoa histórica), a autora e narradora faz questão de construir uma trama épica, com heroísmo e fantasia. Um dos pontos de destaque nessa construção está na própria personalidade de Dandara, como uma enviada divina, com a missão de liderar o povo negro na luta contra os escravocratas e na proteção do poderoso quilombo de Palmares.

Outro elemento que me chamou atenção foi como Dandara foge aos padrões físicos que cercam o imaginário contemporâneo. No lugar de uma figura esguia e esbelta, temos uma mulher de quadris largos e membros grossos. Uma mulher que no seu corpo também desconstrói os padrões dominantes.

Não posso deixar de comentar também que há uma pitada de romantismo no livro. Apesar de coadjuvante, Zumbi dos Palmares recebe algum destaque, principalmente em suas conversas com Dandara, nos encontros amorosos dos dois e na exigência da guerreira pelo merecido reconhecimento de suas capacidades como líder do exército de Palmares.

Com muita ação e heroísmo, apresentando uma Dandara que, embora divina, também não deixa de ser humana, As lendas de Dandara aparece como uma obra seminal, importante para a construção de um outro imaginário, com a importante mensagem de que um outro mundo é possível. E que uma outra História também precisa ser contada.

* Feminino de orixá.


Ficha Técnica:

As lendas de Dandara

Jarid Arraes

ISBN-13: 9788529301945

ISBN-10: 8529301943

Ano: 2016 

Páginas: 128

Idioma: português

Editora: Editora de Cultura


Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/as-lendas-de-dandara-517636ed639273.html

quinta-feira, março 18, 2021

Live ao vivo no Instagram do Sesc Palladium

Neste próximo sábado, dia 20 de março, estarei no perfil do Instagram do Sesc Palladium para falar de Literatura. Vem comigo?



Dia Mundial da Poesia, com Samuel Medina

📍Data: 20 de março

📍Horário: 15h

📍Transmissão ao vivo aqui pelo Instagram: @sesc.palladium


quarta-feira, março 17, 2021

Vídeo: A Cidade Suspensa - Capítulo II

 


Olá a todas as pessoas que visitam este humilde espaço literário. Compartilho nesta quarta o vídeo da leitura do segundo capítulo do meu livro A Cidade Suspensa.

Até a semana que vem!