segunda-feira, novembro 29, 2021

O Embate - Parte IV de V

Ir para O Embate - Parte III de V

Três pavilhões dos mortos-vivos se uniram num perfeito sincronismo, formando um "v" invertido, a vanguarda como uma ponta de lança, que se estendia pelos dois flancos. Os lançadores de dardos claudicavam por cima da infantaria que ocupava a linha de frente. Os toques de ataque dos exércitos aliados foram simultâneos. "Pelo visto, eles querem mesmo ser heróis." pensou Seridath, ao ver praticamente todo o efetivo da Companhia mover-se rumo ao inimigo. Os arqueiros fizeram suas flechas descerem como uma chuva cortante contra os mortos-vivos, que ignoraram e mantiveram a marcha na direção da cidadela.
Vendo que o exército maligno estava decidido a ignorar as duas forças, o Senhor de Dhar sorriu ante a arrogância de seus inimigos. Deu ordem para que o esquadrão de magos entrasse em ação. Uma coluna organizada postou-se atrás da infantaria e iniciou uma série de invocações. Em segundos o céu tornou-se mais escuro e os últimos traços de claridade desapareceram sob espessas nuvens. Do céu, fortes relâmpagos desceram sobre as linhas inimigas, destroçando kowas, mortos-vivos, argros e qualquer outra criatura, viva ou não, embora os gigantescos tominaros e os pálidos seiranes tivessem permanecido inabaláveis. Nenhum dos gigantes ou dos seres de branco caiu.
Outra sequência de palavras arcanas surgiu dos lábios daquela poderosa multidão de conhecedores de magia. Esferas flamejantes surgiram do alto da cabeça de cada um deles e partiram rumo aos inimigos. Os arqueiros dispararam em conjunto e o céu cintilou com flechas incandescentes, fortalecidas e inflamadas pela magia.

Continua...

sexta-feira, novembro 26, 2021

Água de Barrela - Sangue e dor na luta por um futuro


Quem foram nossos ancestrais? O que fizeram? Como viveram? Se fosse possível traçar nossas árvores genealógicas e resgatar a história de cada pessoa nelas, o que descobriríamos? Encontraríamos atos heroicos ou crimes hediondos? Será que nos arrependeríamos de buscar as histórias dessas pessoas?

O romance Água de barrela talvez tenha surgido de alguma das perguntas acima. Escrito por Eliana Alves Cruz, este romance histórico é um primoroso trabalho de pesquisa histórica e criação literária. De início, não sabia o que era barrela. Posteriormente, soube que é uma mistura feita para alvejar as roupas, usado pelas mulheres escravizadas para lavar as roupas de seus senhores. Após a declaração da abolição, essas mesmas mulheres continuaram nesse trabalho, como se esse fosse o destino inevitável para elas. 

O livro me encantou já de início, quando vi árvore genealógica que vai de Ewá (Helena), passando por Anolina, Martha, Damiana, Celina, até chegar à Eliana, a autora desse romance histórico que mostra o Brasil a partir da Bahia e das vidas de uma família marcada pela escravização.

Enquanto lia, meus olhos da mente criavam imagens de um país que se transformou de um império colonial a uma república de fachada, como se os tais valores republicanos nada mais fossem do que a tinta que caia um sepulcro. Afinal, essa democracia tão defendida pelos maiores intelectuais brasileiros não alcançou a grande maioria da população, que continuou vítima da exploração, da violência e do preconceito.

Com o objetivo de ultrapassar as barreiras sociais e alcançar ainda que o mínimo de liberdade e dignidade, uma família recorreu à educação. Apesar disso, foi a duras penas e muita roupa lavada que as matriarcas Martha e Damiana foram mudando os destinos dessa família.

Foi através desse livro que conheci Juliano Moreira, médico, um dos maiores do seu tempo. E negro. também conheci Matheus Cruz, grande mecânico, que até os 83 anos lecionava no Liceu Artes e Ofícios.

Mas esse livro é principalmente sobre mulheres. Sobre Martha e Damiana, que vendendo quitutes e lavando roupas foram buscando um futuro melhor para as filhas. Sobre Dodó, explorada até a morte pelo mesmo clã que no passado escravizou, torturou e estuprou suas ancestrais. É sobre Celina, corajosa professora, capaz de enfrentar o risco do cangaceiro Lampião, sem no entanto esmorecer.

Ao terminar o romance, senti culpa por minha branquitude, pelos privilégios estruturais que carrego na minha pele. Senti tristeza por saber que o país continua matando jovens negros. Senti também uma profunda comoção ao ver a justiça de Xangô, que nos descendentes de Ewá, Anolina, Martha, Damiana e Celina elevou essas heroínas, imortalizando-as nesse livro potente e profundo.


Ficha Técnica

Água de barrela

Eliana Alves Cruz

ISBN-13: 9788592736408

ISBN-10: 8592736404

Ano: 2018 

Páginas: 322

Idioma: português

Editora: Malê

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/agua-de-barrela-743875ed834219.html

quinta-feira, novembro 25, 2021

Obituário

Ontem aqui

Morreu um homem.

Sem referência.

Sem juventude.

Na borda do Centro e

No silêncio das horas

Ele morreu.

Seu corpo 

Isolado e sem luto

Como que revelava seu estado

De abandonada humanidade.

Ontem tombou outro 

A regurgitar do destino o

Cálice.

BH, 03 de abril de 2018

quarta-feira, novembro 24, 2021

Lágrimas de luz

Imagem de WikimediaImages por Pixabay 

O Brasil é o país com maior incidência de raios. Em todo o mundo. Os estados Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Acre são os que mais recebem essas descargas elétricas. Isso me faz pensar no que causaria esse fenômeno. Seria o karma?

Afinal, a Amazônia tem sido atacada continuamente, queimada, invadida, explorada, rechaçada. O Pantanal, também. Quem sabe as deusas antigas não estariam lançando suas lágrimas incandescentes ao prantear a natureza impiedosamente destruída?

Em uma das tradições indígenas, o raio é manifestação de Tupã. Seriam dos guaranis. Não me lembro. O que me lembro é que os 500 anos de invasões continuam, com os povos originários sendo assassinados, perseguidos e caluniados. Era de se esperar que Tupã revidasse.

terça-feira, novembro 23, 2021

Boa noite

Para S.T.

eu que pensava

que havia laços inquebráveis

negava qualquer

muro ou 

precipício 

intransponível

Eu que achava

impossível

estar sozinho

de repente 

me vi

no pântano

de uma angústia imerecida.

Pois agora

sinto que há

amizades de um só lado.

Revirei minhas memórias

em busca

de uma imagem

que pudesse 

ser salva.

Mandarei sempre lembranças

mas de longe.

Também

posso fazer

meu papel 

de morto.

Pois assim

mais uma vez 

eu me apago.

Sentirei falta

e muita.

O rombo em meu peito

é insondável.


Janeiro de 2017

segunda-feira, novembro 22, 2021

O Embate - Parte III de V

Ir para O Embate - Parte II de V

As trombetas dos arautos da Companhia iniciaram uma seqüência de toques, tentando comunicar-se com os seus aliados. O exército de Dhar respondia com os toques de suas imponentes trombetas de prata, enquanto suas bandeiras davam repetidas voltas, em sinais combinados. Lucan conhecia aqueles sinais, mas ficara no pé da árvore.
– Os mortos estão em desvantagem – comentou Thin, com seu olhar aguçado.
– Isso é óbvio. – replicou Seridath, ríspido – Se o exército da Companhia for sacrificado, a vitória será garantida, já que o inimigo terá que lutar em duas frentes.
– Pelo que ouvi de Berak, o chefão que vocês mataram, – continuou dizendo Thin, com indolência – esse exército vem de Quirite-mon. Mas correm boatos de que há muito mais. Outro exército bem maior desses fedorentos partiu direto para o sul, para as planícies drenadas do reino de Marzan.
– A sombra se estende com rapidez. – replicou Aldreth entre um ar sombrio e infantil – O que faremos mestre?
– Nada por enquanto. – respondeu Seridath.
O rapaz via-se em difícil situação. Era evidente que Lorguth continuaria a contrariá-lo se ele não entrasse nessa batalha. O exército inimigo mantinha sua marcha constante e logo alcançaria os portões de Arnoll. Mas Seridath não deu ordem nenhuma aos seus homens. Por enquanto, estaria lá, observando. O exército de Dhar e a Companhia responderam à mobilização inimiga assumindo suas formações ofensivas. A batalha já era uma realidade.



Continua...

domingo, novembro 21, 2021

Conluio

O Capetão 

andava por uma estrada

e numa encruzilhada 

encontrou um

Gonoral 

Com ele disse que seria 

Presidoente

Declarou

Quem não militar 

Agente alicia

ou então

Milícia


sábado, novembro 20, 2021

sexta-feira, novembro 19, 2021

Torto arado - Um talho profundo na alma


Bibiana e Belonísia são irmãs. Filhas de Salustiana e do curador Zeca Chapéu Grande, as duas meninas são precoces, tendo de sobra inteligência e curiosidade. Com elas mora Donana, mãe de Zeca, uma mulher com muitos mistérios e uma mala onde esconde uma preciosa faca de prata. Até que um dia as duas meninas resolvem brincar com o objeto proibido e essa decisão muda para sempre a vida das duas.

Assim tem início Torto arado, romance de Itamar Vieira Júnior. Trata-se de um livro forte, pungente, com uma narrativa em primeira pessoa que aproxima o leitor a um nível íntimo com a trama que se desenrola. O livro está dividido em 3 partes, sendo cada uma conduzida por uma narradora diferente. Pelas palavras delas nós vamos conhecendo a dura realidade da família, moradora do da fazenda Água Negra. Nela, várias pessoas vivem em regime análogo à escravidão, trocando trabalho por moradia e um pedaço de terra para cultivar. 

Talvez o arranjo pareça razoável. Porém, não é o que acontece. As pessoas são obrigadas a trabalhar de graça nas colheitas dos donos das fazendas, de domingo a domingo, não tendo tempo para cuidar de seus roçados. Para garantir sua subsistência, as esposas e filhos dos lavradores precisam se dedicar ao roçado da família. As casas dos trabalhadores não podem ser construídas com material de alvenaria. A proibição existe para que as construções não durem. Sendo assim, as famílias precisam de tempos em tempos construir casas novas, usando o mesmo barro que cobre o chão. Além desses abusos, de tempos em tempos as famílias são extorquidas pelo gerente da fazenda, que rouba suas produções.

É nesse ambiente que crescem Bibiana e Belonísia. Ambas dividem sua vida através do fio prateado da faca de Donana. O pai delas, Zeca Chapéu Grande, é um grande curador e líder espiritual, que conduz as cerimônias espirituais do Jarê, onde os encantados como Iansã e o Velho Nagô se manifestam. Sua história é dura, árdua, desde o nascimento em pleno canavial até a loucura que o acometeu em sua juventude. Assim vão se desdobrando os dramas, as lutas e as potências dessa família. 

No fio da faca de Donana a história é traçada. Esse fio deixa um sulco por onde escorre a água e o sangue. A faca de prata é como um arado a talhar fundo em nós. A agudeza da faca é como a dureza da vida dessas pessoas cujo romance nos faz testemunhas. E não apenas isso. Somos feitos testemunhas e também vítimas. Sendo assim, ninguém sai incólume da leitura desse romance. Ninguém sai ingênuo. Ao fim do romance é impossível ficar alheio a esse Brasil subterrâneo, silenciado e, muitas vezes, amputado.

Vencedor dos prêmios Leya, Jabuti e Oceanos, com sua narrativa poderosa e profunda, Torto arado é um romance desafiador que marca o leitor, deixando sua alma ferida, talhada. Um romance que nos atravessa de ponta a ponta.


Torto arado

Itamar Vieira Junior

ISBN-13: 9786580309313

ISBN-10: 6580309318

Ano: 2019 

Páginas: 264

Idioma: português

Editora: Todavia

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/torto-arado-915037ed921450.html

quinta-feira, novembro 18, 2021

O sumiço

Dez filhos

E um marido desaparecido.

No fogão, panelas vazias

como bocas abertas

da fome. 

Sabe que o marido

não fugiu.

Andou falando no trabalho

Sobre direitos 

Justiça

Protestos

E só 

com essas palavras proibidas

Como mágica 

Desapareceu.

quarta-feira, novembro 17, 2021

Qual a minha cara

Certo dia, estava encerrando uma visita escolar lá na Biblioteca. Um menino perguntou qual era mesmo o meu nome. Eu isse bem alto:

- Eu sou Samuel, cara de papel!

No que uma menina retrucou:

- Não é nada! Você é Samuel, cara de barba!

Em outro dia, também numa visita escolar, fiz a mesma brincadeira. Mais tarde, depois da leitura compartilhada, foi o momento das crianças explorarem os livros. Um menino se aproxima e diz: Cara de pau, posso pegar aquele livro ali?

terça-feira, novembro 16, 2021

Lançamento da antologia "Novo Decameron"

Olá a todas e a todos. Hoje trago para vocês uma excelente novidade. O selo Editorial Starling lançará, no próximo dia 18, uma antologia da qual faço parte. A antologia poética Novo Decameron conta com a participação de diversas autorias. São textos literários que buscam refletir sobre o nosso tempo, tão convulso e complexo.

O lançamento será celebrado através de uma transmissão ao vivo pelo canal JARS Consultores no YouTube.

Conto com sua participação!


segunda-feira, novembro 15, 2021

O Embate - Parte II de V


Havia uma linha imensa das bizarras criaturas sem pernas e com braços mais longos que o corpo, aqueles malditos lançadores de dardos. Thin comentou rapidamente que eles eram chamados de ragrarans, os espinhentos. Atrás desses seres, estavam enfileirados zumbis uniformizados e armados com machados, martelos, clavas, maças e machetes. Eram colunas compactas, formadas por oito fileiras de vinte soldados cada. Logo além desses zumbis havia uma desorganizada turba de criaturas homanóides, embora tivessem um rosto que mais assemelhava-se ao de um suíno. Eram os kowas, homens-porco habitantes de Nareg, terra inóspita no extremo oeste. Misturados com os homens-porco estavam os seres abomináveis, de forma mutável, que carregavam espadas curtas. No momento, assumiam braços e pernas humanos, embora seus rostos exibissem feições perturbadoras de olhos e bocas que se misturavam. Eram chamados de Scliabs, mas também conhecidos como flagelos de Nibala, a Deusa da Loucura e do Engano. Mais para o interior de cada pavilhão, além dos desorganizados kowas e horrendos Scliabs, estavam os verdadeiros terrores daquele exército. Os gigantescos tominaros, que talvez chegassem a cinco ou seis metros de altura. Eram eles que tocavam os tambores. Vestiam calças revestidas com placas de ferro, embora mantivessem o tronco nu da cintura para cima. Tinham negros e longos cabelos, bem como barbas densas e revoltas. Seus rostos pareciam feitos de puro ódio, com olhos sombrios e ferozes.
Junto aos gigantes, contrastando com a cor escura do exército maligno, estavam homens e mulheres vestidos de mantos brancos e leves. Aliás, tudo neles era alvo como algodão, seus compridos e lisos cabelos, bem como sua pele. Ainda que parecessem humanos, qualquer que os visse negaria com veemência sua humanidade. Eram representantes de uma raça antiga, exilada há milênios de seu próprio mundo. Os seiranes, os portadores do poder, os jurados, também chamados de meio-gênios.
Nos espaços entre cada pavilhão, bandos de argros andavam de um lado para o outro, como se não tivessem lugar. Era uma força considerável. O exército inimigo chegava a quase doze mil seres.

Continua...

domingo, novembro 14, 2021

Arhur Medina, 40 anos

Quando mais precisei 

de um pai, 

você foi 

minha figura paterna.

Como podia? 

Um menino 

quase da minha idade

tamanha

responsabilidade?

Mesmo assim, 

com muito amor, 

você me carregou. 

E quando a noite 

era mais escura 

e o medo 

mais profundo, 

segurou minha mão 

para que eu pudesse

dormir.

29 de junho de 2020

sábado, novembro 13, 2021

Ela

Para Pâmela Bastos Machado

Aquela que

me leva a escutar

que toca meu peito

Mesmo nos momentos mais

Cinzentos

Seu rosto é âncora

Os olhos farol

Sem ao menos perceber

Os gestos dela

As palavras

Ou a simples presença

Devolve ao mundo

Sua cor.

30 de outubro de 2020

sexta-feira, novembro 12, 2021

Coraline - Uma passagem para a maturidade


Coraline é uma menina diferente. Movida por uma insaciável curiosidade, ela passa o verão inteiro explorando os arredores da casa em que mora. A própria residência tem suas peculiaridades. Trata-se de um casarão dividido em 4 apartamentos. Um deles está vazio, sendo justamente ao lado daquele em que a menina mora.

A curiosidade de Coraline a impulsiona a longos passeios pelos arredores. Até que um dia chuvoso faz com que a menina perceba uma porta que dá para uma parede de tijolos. A curiosidade por saber o que haveria além daquela parede guia a menina a um outro mundo, onde a comida é mais saborosa, os pais são mais presentes e os vizinhos, muito mais interessantes.

Alguma coisa, porém, mostra a Coraline que aquele mundo ideal não é seguro. Todas as pessoas que lá habitam têm botões pretos no lugar dos olhos. Um detalhe, no mínimo, assustador. 

Coraline pode ser considerado um romance de terror voltado para jovens leitores. Narrado na perspectiva da protagonista, o livro traz muitos dos dilemas da infância, principalmente o abismo entre crianças e adultos, a incompreensão, a tirania e o isolamento a que adultos acabam por relegar as crianças.

A protagonista é intrépida e inventiva. Porém, o texto sempre nos lembra que ela é mais baixa, inclusive para a idade, e também mais fraca. Assim, ela precisa enfrentar desafios muito maiores e mais perigosos do que seria de se esperar para crianças de sua idade.

Para compensar o terror e o perigo a que o ambiente do romance nos envolve, há uma narrativa fabulosa, divertida e aconchegante. É como se estivéssemos o tempo todo segurando a mão de Coraline, para lhe dar coragem, mas também para sermos reconfortados por ela em nossos medos. É preciso mencionar também os inusitados aliados que surgem ao longo da trama.

Por fim, a primorosa ilustração de Chris Riddel nos envolve ainda mais no clima do romance. 

Com uma narrativa envolvente, num ambiente salpicado de sustos e sobressaltos, Coraline é uma elaborada fábula sobre quão assustador é crescer. Assustador, sim, mas necessário.


Ficha Técnica 

Coraline

Neil Gaiman 

Desenhos de Chris Riddel

ISBN-13: 9788551006757

ISBN-10: 8551006754

Ano: 2020 

Páginas: 224

Idioma: português

Editora: Intrínseca

Perfil do livro no Skoob: https://www.skoob.com.br/coraline-218759ed1193129.html

quinta-feira, novembro 11, 2021

Para marcar a mudança

Faz tempo que vivia angustiado com o blog. Eu sempre fico angustiado com a escrita e o blog é o principal ponto de escoamento do que escrevo. É minha vitrine para o mundo. Porém, eu sentia - e ainda sinto - que as pessoas não interagem aqui. Apesar de relatórios de acessos e visualizações, a escassez de comentários faz com que este espaço pareça pouco visitado.

Ou às vezes pode acontecer o seguinte: a pessoa novata encontra este espaço mas, por senti-lo pouco amigável, acaba saindo antes de ler qualquer coisa. Ou seja, antes do tão almejado engajamento

Com isso, tratei de tentar olhar o blog como se fosse um leitor visitante. E percebi alguns problemas. Concluí que o visual era muito carregado. A descrição era comprida e ocupava quase toda a tela. Enfim, percebi que as pessoas precisam gostar muito mesmo do que escrevo para realmente permanecerem por aqui, lendo e comentando. 

Assim, decidi dar uma mudada no visual do blog. Isso aconteceu na segunda-feira. Conferi alguns modelos do Blogger e escolhi o que parecia mais intuitivamente amigável pra mim. E eis que chegamos nesta cara nova que ele tem, atualmente. Porém, percebi que mudei o visual e não falei nada, não apresentei essa mudança para as pessoas que leem o blog. Assim, educadamente, peço desculpas. Eis diante de vocês, leitoras e leitores, a nova cara de  O Guardião de Histórias

Agora, chegou a parte mais difícil. O que vocês acharam? Gostaria muito de saber a opinião de cada uma e cada um de vocês. E se por acaso os comentários foram mais saudosistas e lamentosos, farei questão de restaurar o modelo original, ok? E para quem chegou até aqui neste texto deixo a minha gratidão! ^_^

quarta-feira, novembro 10, 2021

Mitologias familiares

Levei da vó Conceição uma colherada na testa, por ter passado correndo na cozinha, enquanto ela fazia o almoço. Doeu um bocado. E na lembrança da dor veio também da sensação do pé descalço nos ladrilhos brancos e frios.

Vó Conceição não era braveza pura. Num dia, sentou-se ao meu lado e cantou de um ribeirão que secou e do alecrim, flor do campo. No sabiá que fugiu da gaiola ela tirou lágrimas de meus olhos.

Não eram apenas as canções que enchiam meus sonhos, mas muitas histórias. Falava da casa mal-assombrada onde pedaços de gente caíam do alto e se juntavam, até formar uma pessoa inteira. Ou da história do Galo Pelado, que assombrava tropeiros nas trilhas de Minas.

- Vó, por que o Tio Vando é careca? - perguntei sobre a calvície do seu filho mais velho.

- Foi quando ele carregou o melado quente no alto da cabeça, vindo da feira. Balançou o pote de melado que caiu na cabeça dele. Mandei ele raspar o melado pra frente, mas ele raspou pra trás. 

Nessas e noutras histórias, Vó Conceição me embalava. E assim dava lastro à minha imaginação. Vó Conceição fundou meu mundo de fantasias.

terça-feira, novembro 09, 2021

Capital

Pelos corpos sem vida 

nenhum lamento. Apenas 

covardia.

Todos 

vão morrer 

um dia

setencia. 

Não é coveiro, mas 

carrasco. 

Cai sua máscara. 

Já defendeu extermínio. 

Exaltou tortura. 

Com seu histórico de atleta, 

bate em quem 

pede explicação. 

Fazer nada

também mata.

É melhor mesmo

Jair 

morrendo.

Voraz

Temos fome 

de amor 

mas no fim 

ele é o mais 

voraz o 

Amor nos devora 

Sobram 

a penas

ossos

Samedi

segunda-feira, novembro 08, 2021

O Embate - Parte I de V


Ir para Reminiscências - Parte IV de IV

Os cinco subiram a colina. Uri negou-se a escalar a árvore e Lucan não estava em condições para isso. Os outros três chegaram ao topo com facilidade. Na verdade, quando Aldreth e Seridath chegaram, Thin já os esperava calmamente, com um sorriso matreiro. Eles observaram a campina por algum tempo. Nenhum dos blocos se movia. O pequeno exército de Serpente Flamejante não poderia alcançar seu aliados antes de ser rechaçado pelas forças sombrias, marcando o fim da Companhia. Seria mais lógico que o exército de mortos os atacasse primeiro.
A atenção dos três aumentou quando viram que o exército inimigo começava a se mover. E, incrivelmente, não foi na direção da Companhia, e sim de Arnoll. Ambos os exércitos aliados tocaram suas trombetas, indicando prontidão de armas. As lâminas desembainhadas refletiram a luz das tochas e dos feitiços nos estandartes.
Do centro do exército inimigo surgiu uma coluna de chama mágica. Logo em seguida, outra chama surgiu, em outro ponto da massa sombria. Outras três chamas surgiram, em pontos diferentes do exército maligno. Cada coluna de chama parecia marcar um pavilhão. Mas, estranhamente, essas colunas de fogo não pareciam iluminar absolutamente nada. O exército de mortos parecia tão escuro quanto antes, talvez até mais. 


Continua...

domingo, novembro 07, 2021

Composto

Meu corpo

É 70 por cento água

E 90 por cento mágoa

Samedi

Uma leitura entre lágrimas

Plena manhã na Biblioteca, duas oficinas realizadas e de repente eu decido me debruçar sobre este livro. Eu estava no balcão de atendimento, mas o trânsito de leitores nesse sábado ameno havia diminuído, depois de um fluxo intenso mais cedo.  Tanto que deu pra ler tudo sen interrupções. Ao final da leitura, pensei em tantas crianças deslocadas, refugiadas, traficadas, despejadas, escravizadas, afogadas... E o Mediterrâneo escapou de meus olhos em plena manhã. Foi um choro desamparado, órfão, assim como muitas dessas crianças. Tive que abaixar a cabeça e me esconder atrás do balcão para que ninguém testemunhasse meu pranto. Para que ninguém me pegasse de peito aberto.

Livro: Um outro país para Azzi

Autora: Sarah Garland

Tradução: Érico Assis

Editora: Pulo do Gato

Descrição: Desenho de uma menina com vestido azul e casaco vermelho. Ela olha para trás enquanto corre e segura um urso de pelúcia. Ao fundo, ruínas de prédios.

14 de abril de 2018



Pena de morte

Quanto mais definitiva a pena, maior a possibilidade de injustiça.

Quanto vale a morte de um inocente? A execução de um inocente compensaria a de vários criminosos?

Castração química. Como definir quem merece e quem não merece? E se houver a mínima chance de a pessoa ser inocente?

Tentando me afastar da hipocrisia, tentando não ser hipócrita, penso que eu nunca perdoaria quem ferisse alguém que amo. Porém, eu estaria disposto a aceitar a morte de um inocente sequer para que aquele criminoso que odeio por ter matado quem eu amo fosse executado? Eu poderia viver com essa possibilidade? Não acredito que a vida seja quantificável. 

27 dez 2014

sábado, novembro 06, 2021

Responsáveis

Vocês votaram nele

mesmo depois de ouvirem

que ele pregava o extermínio

e defendia a tortura.

Mesmo quando defendeu

uma ditadura

Ele disse "e daí?"

quando as pessoas começaram a morrer.

E vocês não deixaram de apoiá-lo.

Não se esqueçam:

esse monstro assassino genocida é culpa de

Vocês.

sexta-feira, novembro 05, 2021

Figura pétrea

Ele era um gigante. Enorme, de pele marrom e pouco cabelo na cabeça. Sempre muito sério, adorava falar em inglês. Conhecia outros idiomas, mas esse era o seu predileto. Diziam que aprendera sozinho, memorizando um dicionário. Achava essa história fabulosa e titânica. Sim, ele era um titã para mim.

Sua voz era grave, meio rouca. Uma voz que lembrava risada de Papai Noel. Além disso, sua voz também era forte, estrondosa. Ao chegar em casa, gritava: "Open the gate!" e nós corríamos para abrir o portão e recebê-lo. 

Ele também gostava de gritar com os âncoras do jornal. Sempre que algum deles falava algo que o contrariava, gritava: "Mentira!" Geralmente, tinha razão. Sua revolta era gerada pela hipocrisia que conseguia perceber nas falas de repórteres e entrevistados.

Meu avô nunca chorava e sorria pouco. Era um homem sisudo, sempre sério. Enérgico no que acreditava, muitas vezes chamou minha atenção dizendo que eu deveria aprender a falar inglês e outros idiomas. Sinto demais não tê-lo escutado.

Certo dia, cheguei à casa de meus avós e soube que a irmã do meu avô, chamada Rosa, tinha falecido. Fui até a sala onde meu avô estava. Ele se mantinha sentado em sua poltrona favorita, imóvel, como se fosse feito de pedra. Olhava fixamente para frente, sem dizer uma palavra. Respeitoso, perguntei como ele estava. Meu avô nada disse e eu não insisti.

Foi então que vi escorrer de seu olho esquerdo uma única lágrima. Ele não fez menção de enxugá-la. Deixou-a escorrer livre, até o queixo, onde se perdeu ao pingar na camisa. 

Essa única lágrima foi a primeira que vi no rosto de meu avô.