segunda-feira, outubro 01, 2012

O Andarilho - Parte II de II

Ir para O Andarilho - Parte I de II


Seridath arregalou os olhos, surpreso com a declaração do velho. Teria que aceitar as suas condições se quisesse lutar. Deu um gole no copo de cerveja e engasgou. Por fim, pigarreou e voltou a falar, resignado:
Velho, me inscreva essa "força". O rapaz aqui ao lado também irá participar. Ele é um excelente arqueiro.
Seridath vira Aldreth usar seu arco enquanto caçavam, durante a viagem a Dhar.
Transmitirei teus interesses aos meus superiores – respondeu o velho, com um suspiro. – Estou ignorando o protocolo por tua causa... Amanhã terás tua resposta. Se admitido, deverás passar pela prova de habilidade. Será necessário conferir se conheces as vozes de comando.
Dando a conversa por encerrada e sem esperar a concordância de Seridath, Urso Pardo levantou-se. Parecia cansado e saiu da taverna com um andar vagaroso, apoiado em seu rústico bordão. Seridath dispensou Aldreth, deixando com o garoto duas moedas de cobre, para que ele desse um jeito de arranjar o jantar, mesmo com aquela quantia miserável. Enquanto o cavaleiro se acomodava em seu cubículo, para mais uma noite sob os cobertores, seu pajem enfrentava o clima outonal no estábulo.
No dia seguinte, quando a noite caía, Urso Pardo compareceu ao novo encontro, como prometido. Dessa vez, não havia cerveja e Aldreth estava silencioso ao lado de seu amo.
E então? – perguntou Seridath, enquanto o velho tomava seu lugar na mesa.
O Conselho decidiu encerrar o recrutamento.
Seridath não escondeu sua consternação.
Não entendo – disse. – Já falei que tenho experiência. Não haverá necessidade de gastar tempo comigo em treino. Apenas com o rapaz, e ele aprende rápido.
Mas já é muito para arriscarmos – advertiu o velho. – A situação mudou. Recebemos hoje um mensageiro. Há rumores de ameaças maiores, correm boatos de que Quiriath-Mon está sendo reerguida. Deveremos partir o quanto antes.
Vocês, dessa "Companhia", sempre correndo atrás de rumores e boatos! Pelo que eu sei, caro andarilho – Seridath fitou Urso Pardo com raiva. – Essas histórias não passam de lendas. Sei muito bem o que a palavra Quirite-Mon faz o populacho daqui estremecer. Mas para mim, os Ascos podem nunca ter existido, bem como Helena e seu Império de Gridsmar!
O velho andarilho ergueu os olhos em censura na direção de Seridath, como se o jovem cavaleiro tivesse proferido uma grande blasfêmia.
Cautela, rapaz, cautela! – advertiu em voz baixa. – Estamos longe do reino de Renandart, mas mesmo aqui neste país os homens veneram Helena como uma deusa!
E alguns também veneram os Ascos – rebateu Seridath.
Por pura loucura, meu jovem, ou imprudência. As forças da Luz já provaram seu poder sobre as hordas das Trevas.
Mas, se os boatos sobre essas "hordas das Trevas" estiverem certos, não serão burros para desperdiçar uma espada que seja.
Não zombes de minha paciência, estrangeiro – o olhar antes amigável do velho deu lugar a uma expressão implacável. – Tua impertinente acidez me irrita. É loucura zombar de quem carrega o Orgulho em seu nome. Lembra-te disso.
Seridath calou-se, empertigado. Olhou para ambos os lados. Nem mesmo ele conseguia entender o porquê de tanta obstinação por fazer parte daquele grupo de lunáticos.
Olha, velho – retornou o cavaleiro, inclinando-se levemente sobre a mesa –, eu só quero um lugar no exército e um uniforme. Não me importa se vocês querem andar na campina caçando fantasmas ou o quê. Quero apenas lutar. Peço que ao menos não me negue isso.
O andarilho inclinou o corpo para trás, apertando mais as sobrancelhas, seu rosto cada vez mais sério. Por fim ele suspirou.
Tudo bem, rapaz. Procurarei mais uma vez ir contra o protocolo e convencer os membros do Conselho. Advirto contudo que não há como contrariar o Grande Andarilho, Serpente Flamejante. Caso ele permita, tu e teu pagem serão membros da Companhia, mas não haverá espaço para essa tua altivez. Aceitarás o mais humilde posto que o Conselho delegar-te.
Quando o exército partirá? – perguntou Seridath, como se já fosse um empregado da Companhia.
Em breve. Estamos nos preparativos finais. Creio que no dia 19 estaremos prontos, no mais tardar dia 20. Caso sejas admitido, é bom estares pronto em nossos alojamentos antes da data.
Ao ouvir as últimas palavras do andarilho, Seridath assentiu, taciturno. Era verdade que o pagamento era escasso, mas o rapaz tinha toda certeza que aquele iria ser dinheiro fácil. O negócio, afinal, teria que valer a pena. Para todos os efeitos, ele era agora um dos guerreiros da Companhia.


Continua...

Nenhum comentário: