terça-feira, janeiro 13, 2015

Retomando o fio

Boa noite, pessoal. Bem, confesso que estou com certas dificuldades em escrever este post. Ultimamente, acredito eu, vocês tem tido contato com textos menos literários aqui no blog. Embora esses textos falem de literatura, especialmente da minha. E aqui estamos nós mais uma vez.
Há tempos tenho estabelecido para mim uma meta ainda não alcançada: escrever todo dia. Para ajudar nessa determinação, arrumei um diário. De fato, passei a escrever quase diariamente. Sim, quase. Curiosamente, esse foi um período em que o blog passou a ter um número muito pequeno de atualizações.
Quem passear pelos histórico deste espaço poderá constatar as diversas tentativas que empreendi para aumentar o número de leitores deste blog e, ao mesmo tempo, exercitar minha escrita literária. Contudo, é também possível avaliar que essas tentativas não foram bem-sucedidas. Talvez por conta da incompetência do escriba, seja no seu fazer textual, seja na dificuldade em manter um calendário de novos textos.
E aqui estamos nós. Início de 2015, dois livros publicados, participações em cinco antologias e alguns proseados publicados em jornais de pequena circulação. Um caminho intermitente, árduo, nem um pouco fácil, mas muito compensador. Se necessário, faria tudo de novo.
Muito ganhei nesta jornada, entretanto. Fiz amizades, ajuntei forças com outros escritores, estive diante de diversos leitores em diversas ocasiões. Suei, malhei, chorei pela minha literatura. Ou seja, não posso reclamar. Este blog não tem um grande número de leitores, mas eu pude receber o retorno de muitos leitores, com suas visões de mundo, suas impressões sobre meu texto, suas expectativas por uma continuidade.
E por isso mesmo volto a este espaço com o intuito de retomar o fio. Não sei se conseguirei, mas pretendo fazer daqui também um diário de escrita. O objetivo é tentar publicar todo dia. Ainda que um miniconto, ainda que um haicai. 
Hoje, segundo meu calendário interno completamente desorganizado, era pra sair um vídeo. Seria ou a leitura de um livro infantil, de Quero meu chapéu de volta e Que bicho será que fez a coisa?, ou a performance de um poema. Essas experiências estão lá no canal que tenho no Youtube. Só que contrariando totalmente minhas expectativas, saiu este texto. 
Então é isso, pessoal. Esta é a minha tentativa de retomar o fio. Espero, sinceramente, que 2015 seja o ano em que O Guardião de Histórias possa compartilhar outras tantas histórias com vocês! ^_^

3 comentários:

Luciana disse...

É isso aí. ^_^

Ewerton Martins disse...

Literatura também é suor.

(E lembrei de Whiplash, filmaço que está no cinema. Assista. Vale a pena. E é interessante para pensar nessas questões que cê apontou).

Abraço!

Nerito (Samuel Medina) disse...

Valeu pela dica, Ewerton! ^_^