terça-feira, abril 03, 2012

Esperto demais para a sua idade

Isso tenho certeza que nunca fui. Ainda me lembro quando vozes alheias, adultas, falavam sobre este pequeno ser em formação: garoto problema. É atrasado demais, alheio, disperso, melancólico, ordinário.
No caderno escolar, as marcas da expectativa frustrada. Letra vermelha, expressão triste do boneco da forca. Um futuro sufocado se delineava na pauta escolar. Precisa se esforçar mais. Esse era o recado escrito. E eu continuava sem saber que esforço era esse. Afinal, já era tão difícil conseguir ficar tanto tempo olhando para o quadro negro, prestando atenção na monótona voz da professora. O recado, porém, estava dado. O menino rendia pouco.
Sem querer, fugia. As imagens infantis invadiam minha realidade. Brincar? O tempo todo. Tecia histórias, inventava reinos que caberiam em meio metro de quintal. As galinhas viravam dinossauros, as formigas eram montadas e os muros viravam montanhas a serem escaladas. Todo lugar era um mundo particular. Nele eu era Rei.
Hoje, adulto, ainda invento devaneios infantis. Ainda me perco nos labirintos do sonho. E quando desperto dessas fantasias, descubro mais uma vez ter chegado atrasado à realidade. Predomina a sensação de inadequação, de insuficiência. Continuo ordinário, alheio, disperso. As palavras faltam, perdidas em seus significados. Fico assim, a cada dia adiado, no frustrante silêncio da impossibilidade. 

4 comentários:

Fefa Rodrigues disse...

Nerito... sobre seu texto... gostei muito... me fez lembrar dos quatro anos de tratamento piscológico que tive que fazer, quando era criança, para vencer o pânico e me "adaptar" a escola...


Bem, quanto ao livro O Ladrão de raios, concordo que ele é muito superficial, mas tentei não me prender a este fato... como disse, no começo da resenha não estava gostando... estava achando meio bobo, só então parei e pensei que é um livro infantil... então, entrei na onda... claro q não é um livro infantil como Narnia... mas é algo para relaxar!!!

Eu gostei mesmo deste jeitinho pretencioso do Jack... heheh

Sabe, eu não tenho sido muito critica com os livros pq, as vezes, eles são meus únicos companheiros durante a semana!!!

Dora Delano disse...

"E quando desperto dessas fantasias, descubro mais uma vez ter chegado atrasado à realidade."

Ou a realidade que ainda está atrasada em relação a seus sonhos?

Simone Teodoro disse...

Entre o real e o sonho há a literatura....

Sempre achei que em você houvesse um bela camada de infância. E o que é o devaneio? A infãncia, gritando das distâncias? E chegando a nós, pelos ecos da memória.
Não gosto da palavra esperteza. ela será sempre, para mim, a evocação da malícia da raposa, que vive para enganar.
Quando eu era criança, me diziam: "Sensível demais para a sua idade". Sensível é mais interessante que esperto. Acho que você pensa assim também...

Tyr Quentalë disse...

então somos dois em certo ponto. Alguém ousou dizer que eu teria TDAH... Quem diria! rsrsrsrsrs Acho que na verdade nós passamos muito tempo em nossos reinos, que parecem mais atrativos que a realidade monótona.