quinta-feira, fevereiro 19, 2015

Dimensões do nada

Passenger: Let Her Go


Com as pontas dos dedos tateio o vazio. Sinto com eles a dimensão da minha tristeza. Meus olhos neste momento de pouco adiantam.
Sozinho, no escuro, tentei recolher meus pedaços, em vão. Nas milhares de variações do verde que seus olhos revelavam, muitos de meus estilhaços se perderam. Irremediavelmente quebrado, deixei que o lamento escorresse por minhas rugas, finos caminhos de nada.
Não sei ao certo o que houve. Um pouco da tristeza que foi tomando forma, um talho de amargor, uma partícula de descaso. Talvez a crescente consciência de minha inadequação.
Ou simplesmente não foi amor. Não queria que ela partisse, mas nada pude fazer. E agora só me resta, no escuro, desmedir o enorme vazio que ela deixou.

Nenhum comentário: