quinta-feira, outubro 17, 2013

Angellore: Um Thriller Espiritual

Uma série de crimes inexplicáveis aterrorizam os moradores de Belo Horizonte (MG) e deixam perplexos os experientes policiais do Departamento de Inteligência da Polícia Civil, em especial a agente Olívia Giacomelli, famosa por sua competência. Os corpos das vítimas apresentam características muito perturbadoras, embora para os legistas seja impossível definir a causa da morte. Enquanto isso, Sophie, uma moça marcada por uma tragédia familiar, começa a vivenciar estranhos e perigosos fenômenos ao seu redor. Tais fenômenos têm seu início tão logo a moça conheceu Nicolae, um jovem misterioso e sedutor. Em linhas gerais, é assim que Angellore - A Divina Conspiração, de autoria de Gabrielle Venâncio Ruas, tem o seu início.

Há algum tempo, este livro foi lançado na Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte, onde trabalho. Infelizmente, não havia tido tempo para iniciar sua leitura. Aproveitei uma viagem e pude enfim dedicar-me a este livro. E não me arrependi.

Um dos pontos fortes, que gerou forte empatia à narrativa, é o perfil de Sophie e suas experiências no campus da Universidade Federal de Minas Gerais. Estudante de História, a moça circula pelos mesmos espaços em que circulei durante meu curso de Letras. E as descrições de cenários, prédios e aulas foram tão verossímeis que pareceu de fato que eu estava passeando pelo campus de minha antiga universidade. E tais referências não são enfadonhas ou forçadas. Tudo é apresentado com muita naturalidade, o que dá força tanto à narrativa quanto aos personagens.

E de fato os personagens são joias a parte. Bem construídos, empáticos e dinâmicos (com exceção de Nicolae), a interação entre eles é sem dúvida o grande acerto da autora. A japonesinha Kat destaca-se, com seus traços bem específicos, seu jeito despojado, despreocupado, embora bastante agitado. Sem dúvida, Gabrielle Ruas cria uma teia de personagens ricos em personalidades e expressões, o que faz com que o livro funcione muito bem internamente, com fluidez, leveza e muito humor. A piada interna ACDC é um dos grandes exemplos disso.

Já os personagens que circundam Olívia acabam sendo mais presos em seus papeis. E de certa forma acaba sobrando para a policial a obrigação de sustentar sua parte do enredo. Para isso, Gabrielle concede a Olívia uma personalidade forte e implacável, o que funciona, mas acredito que essa carência de personagens expressivos ao redor da narradora acabe por fazer com que a tensão entre as duas narrações, de Olívia e de Sophie, fiquem desiguais. 

E por falar em narrativas, destaco que o livro é constituído na verdade por três narradores: Olívia, Sophie e um narrador desconhecido. A decisão de construir esse terceiro narrador acaba equilibrando a tensão Olívia/Sophie, criando o que eu chamaria de uma "terceira margem". É interessante também observar que, enquanto a narração de Sophie é radiante, geralmente banhada de cores e luz, Olívia apresenta-se em um ambiente mais sombrio, com toques noir, enquanto o terceiro narrador encerra-se no signo da noite e da sombra. Essa gradação de tons enriquece o romance, fortalece seus contornos e seu ambiente, transformando-o num Thriller de primeira, e capturando o leitor.

Além do humor, há também doses de romantismo ao longo do livro, em trechos que inevitavelmente me remeteram a Crepúsculo. Esses elementos românticos são carregados de inocência e menos melodramáticos que o romance vampiresco, o que considero um bom sinal. Ainda assim, não posso dizer que o elemento romântico seria descartável, mas careceu de um maior desenvolvimento, que talvez virá nas continuações.

Não posso deixar de falar também nas cenas de ação. Gabrielle não nega as influências de animes/mangás em sua obra, inclusive as exalta. E de fato a narrativa não fica confusa ou enfadonha durante as cenas de luta. De forma muito competente, a autora demonstra um grande domínio sobre o ritmo do texto, conferindo às lutas, perseguições e perigos um peso dramático excelente.

Repleto de suspense, humor, romance e ação, com um texto leve e cativante, Angellore: A Divina Conspiração sem dúvida é o fruto do trabalho de uma escritora que veio para ficar. 

Ficha Técnica
Edição: 1
Editora: Modo Editora
ISBN: 9788565588126
Ano: 2012
Páginas: 264

Página do livro no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/229627/

2 comentários:

Carol Teles disse...

Sabe que tenho esse livro aqui e nunca li?
Ando numa fase azarada para romances, e isso tem me enchido a paciência. Todas as vezes que pego um novo tenho vontade de tacar na cabeça do autor com ele. kkkkkkkkkkkkkk
Mas a dica esta anotada!!

bjus
http://terradecarol.blogspot.com.br/2013/10/resenha-de-veneno-sarah-pinborough.html

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Nerito!

Essa sensação de familiaridade que você teve com este é a mesma que eu tive lendo Bento e os dois Vampiro-rei do André Vianco. Ele descreve lugares de SP que eu passo rotineiramente e conheço muito bem, o que foi uma das coisas mais legais dos livros.

Adorei, e já vai aí mais um pra minha lista interminável...

Beijos!