quarta-feira, outubro 19, 2011

As muitas razões de ser

Enquanto meus dedos deslizam nas teclas, a janela do apartamento à frente ressoa músicas ininteligíveis, num coro de vozes bêbadas entoando suas canções. Algo que lembra um pouco do sertanejo brega que fez tanto sucesso na década de 1990. É domingo, 19h43 da noite. 

Como sempre posto um relato ou uma reflexão toda quarta-feira, pretendia levantar outras questões neste post ao invés de elogiar meus vizinhos tão educados. Por exemplo, queria falar sobre os comentários do blog. Agradecer, em primeiro lugar, a todos que comentam. E também dizer que leio todos os comentários. O fato de não respondê-los não diminui sua importância. Afinal, escrevo e publico especificamente porque espero que as pessoas leiam. Por isso minhas ideias, por piores ou melhores que sejam, não ficam guardadas na gaveta ou na página da agenda.

Embora não necessariamente, este blog é seriamente novo. Digo, ele existe desde 2005, mas com uma proposta diferente. Nasceu na tentativa de contar uma história de fantasia onde um gnomo perdido em um mundo quase morto conta suas memórias e analisa sua vida. Tanto a ideia inicial quanto sua sustentação morreram. Tudo por falta de comentários. 

Decidi, em seguida, criar uma outra história, onde um cavaleiro maligno resgata uma espada igualmente maligna para aos poucos ter sua vida transformada enquanto encontrava inúmeros personagens. A história se manteve sem comentários até o sétimo capítulo. Fiquei desmotivado e praticamente abandonei o blog.

As músicas continuam. Acredito que os vizinhos querem me convencer a cantar também. Se não fosse isso, não estariam gritando tão alto. Talvez seja a deixa para desligar este computador, bater na porta e pedir um prato de salgadinhos e uma bebida...

Ah, sim, estava falando do meu blog abandonado. Quase um ano depois, voltei e encontrei um comentário no último post. Ávido acessei o link e fiquei maravilhado com as palavras de uma pessoa que nunca vi. Essa pessoa dizia que lamentava que a história tivesse parado sem uma conclusão. Esse comentário me deu força a continuar uma história que durou mais de 2 anos, sendo dividida em duas partes: a primeira com 29 capítulos e a segunda com 35.

Depois de um tempo, pensei que essa leitora nunca mais voltaria. O blog foi reformulado, passei a postar resenhas, de forma a qualificar minha leitura. Acreditei que não mais postaria textos literários no blog. Hoje publico A Cidade Suspensa e cada comentário é como um impulso incandescente a inflamar minhas veias e me fazer pular de alegria. Sério. Às vezes saio do trabalho pulando, louco pra voltar a digitar aqui, continuar a relatar as dificuldades de Kain.

Agora o pessoal lá de fora está uivando. Fico imaginando se eles estão ensaiando algum rito ancestral pra chamar a chuva. Tenho que avisá-los que não é preciso. Já choveu ontem e hoje. Provavelmente choverá amanhã...

Não vou me estender demais. Aliás, acho até difícil. Para acompanhar os uivos, aumentaram o som. Creio que fizeram isso porque estavam gritando tanto que já não conseguiam escutar a música. Enfim, isso acontece.

Para encerrar, gostaria novamente de agradecer a todos que se aventuram por estas páginas. Mesmo aqueles que não registram sua passagem através de um comentário. Estas histórias estarão sempre aqui, guardadas para vocês.

E um agradecimento especial para Tyr Quentalë. A primeira leitora do blog e a grande responsável por salvar a alma de um escritor, aprisionada no peito de um ser humano.

18 comentários:

Fefa Rodrigues disse...

OI Nerito... primeiro, vou elogiar mais uma vez sua Cidade Suspensa, e também vou te contar um segredo... além de amar ler, eu amo escrever, mas nunca deixei ninguém ler o que eu escrevo... depois de ler seus textos, comecei a criar coragem... talvez mostre para alguém um dos meus contos... mas o medo ainda é maior que a coragem...

Nerito disse...

Ei Fefa! Puxa, não se acanhe. Eu acredito piamente que todo bom escritor é antes de tudo um bom leitor. E passeando pelo seu blog eu tenho certeza que você não só escreve bem como tem bom gosto literário!

Ah, sempre acho legal quando você posta as capas dos livros, tipo fotos que você tira. Isso é tão personalizado, faz o livro se tornar tão real. Isso é muito bacana e sempre aumenta a vontade da gente ler o livro que você tá indicando. Abraços!

Tyr Quentalë disse...

é sempre bom ler seus relatos e ver como seu caminho foi traçado por esse mundo que tão bem conhecemos como blogspot. Agradeço suas palavras e o carinho que sinto nelas, pois sempre adorei ler o que vc escreveu. O Cavaleiro Negro acompanhei piamente cada capítulo desde que o descobri, e acompanharei a Cidade Suspensa com o maior prazer.
Adoro suas resenhas também, pois só aumenta minha paixão pela leitura... Poxa... rsrsrs Adoro!

Nerito disse...

Oi Tyr Quentalë, eu nunca poderia ter deixado de falar da minha leitora mais antiga, né?

A gente nunca se viu pessoalmente, mas um lê os textos do outro há tanto tempo. Não deixa de ser um laço forte de amizade!

Simone Teodoro disse...

Gente de Deus!!! Marca logo um encontro!!!! rs

Fefa Rodrigues disse...

Nerito... hehehe, me desculpe pelo "spoiler" é que, como esse é um livro bem antigo - digamos assim - não imaginei que pudesse contar alguma "novidade"!!

Eu gosto muito de literatura de todos os séculos a bem da verdade... hehehe... é que antes eu só tinha acesso aos livros da biblioteca e sebo, por isso lia quase que exclusivamenete esses escretiores mais "clássico"... só depois da tão sonhada independencia financeira é que comecei a comprar meus livros... dai a fantasia e os romances históricos tomaram conta da minha estante...

Alias, estou até sentindo falta de um pouco de Vitor Hugo, Tolstoi, Dickens... mas se lviros em geal ja são caros, o desses escritores são ainda mais caros!!!

Sobre meus lugares de leitura, o mais comum é minha cama, pq eu não consigo ler em movimento... ler em carro, ônibus, é certeza de passar mal heheheh... mas vou seguir sua dica e vou mostrar o cantinho onde me sento todo sábado a tarde para ler... de resto leio antes de dormir, todos os dias, se não leio simplesmente não durmo!!!

:o)

Abraços
Fefa

Rosa Maria (http://rosacroft.blogspot.com/) disse...

Meu amigo Samuca, eu já disse que sou sua fã? Só um milhão de vezes né?

Para mim você já é um sucesso, mas quero que todos saibam disso, e sei que ainda vão saber! Ainda bem que já tenho seu autógrafo, lembra? Você assinou um poema que escreveu numa página de caderno quando ainda estava na faculdade.

Um super beijo e muito sucesso para você!

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Nerito!

Ainda não li Cidade Suspensa, o que acho uma falta grande, mas preciso de tempo. Ou melhor, férias! Bem longas:D

"O destino é onexorável". Bernard Cornwell foi extremamente feliz quando escreveu isso. Minha frase preferida! E ele está lá em cima na minha estante, junto com George martin (que acabei de conhecer mas já viciei) e a deusa Rowling (falem o que quiser de Harry Potter, mas eu amo e acho que o mérito de Rowling vai além de fazer a molecada ler - o que já não é pouco! Ela criou um mundo maravilhoso e complexo que vai muito alem da fantasia e do rótulo de infanto-juvenil). Conheci bernard Corwell por causa daa Crônicas de Artur e nunca mais larguei. Já li um monte de coisa dele (você deve ter percebido no blog), mas ainda tem tanta coisa pra ler...Sharpe (só 20 livros!), o restante das Crônicas Saxônicas, O Condenado, O Forte...Como você disse, tantos livros, tão pouco tempo!

Nem sabia que O Caldeirão Mágico existia em DVD! Vou tentar achar, orque é o que você disse, é ua história fantástica. Aliás, tudo da Disney é ótimo, mesmo quando é mais fraquinho.

Esse seu vizinho lembra o meu, que fica tocando música para a vizinhança toda...às vezes ele acerta na músoca, com Bon Jovi, U2, Legião...Mas daí ele lembra que existe pagode e funk e meu sofrimento começa...

Para terminar, ants que eu escreva um livro (coisa que tenho muita vontade de fazer, mas não consigo começar - chuif, chuif!), li no blog da Fefa os lugares que a gente lê. Eu sou como ela, leio todo dia antes de dormir, senão parece que fica faltando algo no meu dia. Mas na verdade leio onde dá: na faculdaed (as aulas de literatura brasileira rendem que é uma beleza - hehehe), quando meus alunos estão fazendo prova, no médico, na praçca de alimentação do shopping, esperando meu almoço...Carrego livro onde quer que eu vá. Só não leio no ônibus ou no metro porque passo mal. de resto, todo lugar.

Beijos!

Fefa Rodrigues disse...

Nerito... eu prefiro que não pare!!!:o)

Ah e só pra constar, esse paixão já me rendeu 6 graus de míopia!!!!

Graças a Deus pelas lentes de contato!!!

Fefa Rodrigues disse...

Ah só uma coisa... vcs dois reclamam dos vizinhos que tocam músicas de "ótima qualidade", eu não tenho probelmas com vizinhos... mas sofro na minha sala de trabalho... são 8 horas por dia com pessoas maravilhosas mas com um péssimo gosto musical e com a mania de compartilhar suas musicas preferidas com a sala toda!!!!

Diego França disse...

Palmas! Sua forma de escrever e o humor com que escreve me deixa maravilhado em cada leitura que faço. É madrugada e, enfim, consegui um tempo para comentar também. Me identifiquei com essa postagem, pois passo pelo mesmo com meu blog. Mas sempre me pedem para voltar e eu o faço com entusiasmo. E blogs como esse seu me faz ainda permanecer aqui para me tornar um seguidor assíduo de uma boa leitura.

Nerito disse...

Ei Fefa... rsrsrs... eu também fico irritado com o pessoal que toca música no trabalho. Mesmo que a música seja boa, eu defendo o direito de cada um ter sua tranquilidade e silêncio.

Nerito disse...

Ei Rosita, minha amiga tão singela e antiga... É tão bom quando recebo visitas de amigos que conviveram tantos dias comigo... Nem lembrava desse autógrafo, acredita? Ah, época em que eu escrevia poesia...

Nerito disse...

Fernanda, eu fico louco só de pensar em todos os livros legais que não do conta de ler (seja por tempo ou por dinheiro).

E acho que você deveria sim escrever seu livro. A gente não pode deixar a paixão morrer. Para mim, escrever é uma paixão que durante um certo tempo na minha vida esteve quase morta. Não deixe que sua paixão desapareça. De qualquer forma, você tem quase um livro eletrônico no seu blog! rsrsrs... Pode até vir a ser um guia de literatura e cultura pop, que tal?

Nerito disse...

Poxa, valeu Diego. Obrigado pelos elogios. E não se acanhe com as críticas. Sempre que alguém me aponta algo pra melhorar, agradeço e conserto!

O objetivo do blog é aprimorar a escrita e fazer amigos. Ah, além disso, um dos meus objetivos é lembrar: lembrar e lembrar para que as histórias sejam mais do que impressos e sejam vida a nos impulsionar! De certa forma, todos nós fazemos isso quando falamos de um livro que amamos! Abração!

Dora Delano disse...

E quem disse, que só pq nao comentam as pessoas não leem? Eu leio, mas nem sempre acho que tenho algo contribuir. Às vezes, o que você escreveu, só me leva a reflexão. E eu não consigo expressar uma palavra sequer.

Você tem talento, rapaz. =)

Nerito disse...

Ei Dora, entendo isso. É justamente por isso que às vezes não respondo comentários. Fico sem ter o que responder. Pode parecer frescura, mas acredito que a maior resposta aos comentários de todos é escrever cada vez melhor, me esforçar para aprimorar o texto e também escolher bons livros pra indicar aqui...

Fernanda Cristina Vinhas Reis disse...

Oi Nerito!

HAHAHA! "quase um livro eletrônico";D
Quando sento para escrever, me empolgo mesmo. Meus comentários são sempre mais ou menso longos por causa disso. E obrigada pelo elogio! Também gostei da sua sugestão de "guia de literatura e cultura pop". Quem sabe?

Beijos!