sexta-feira, julho 12, 2019

O peso do pássaro morto - O peso de uma vida

Quanto pesa um pássaro em pleno voo? Qual a diferença desse mesmo pássaro, depois de morto? Quanto pesa uma vida? Como medir a memória que se tem, mesmo aquela que se tem, a despeito de não desejá-la?

Assim como essas perguntas podem gerar inúmeras outras, há livros que nos lançam em torvelinos de questionamento. Da mesma forma que revisitamos nossas lembranças com a fórmula "e se?", muitas narrativas nos tocam a ponto de tomá-las como nossas. Assim, começamos a usar essa mesma fórmula no enredo. "E se ela não tivesse feito aquela viagem? E se ele tivesse agido diferente?"

O peso do pássaro morto foi um livro que me arrebatou de tal maneira que ao seu término eu me senti em suspenso. Era como se minha memória não existisse mais, como se minhas palavras estivessem fadadas ao silêncio, tal era a força das palavras desse livro.

Romance de estreia de Aline Bei, este é um livro pungente. O enredo segue um trecho da vida de uma mulher, sendo ela a narradora. Esse é o primeiro grande impacto do livro. Narrado em tom intimista, o texto faz do leitor um voyeur, alguém que inadvertidamente penetra na mente de outra pessoa e a observa em silêncio. 

Ao mesmo tempo, o tom da narrativa soa confessional. Assim, somos também cúmplices da narradora, ao darmos escuta a essa menina-mulher em sua jornada de amadurecimento e descoberta. 

Esse, também a meu ver, é o segundo grande impacto que o livro tem. Nesse pêndulo, o leitor é intruso e convidado. A narradora é perspicaz, espirituosa e cativante. Creio ser impossível não se apaixonar por ela. E não se comover com os impasses que ela sofre em sua trajetória.

Por fim, esse é o terceiro impacto que o livro causou sobre mim. Já nas palavras da menina que era levada pela mãe para ser benzida por um curandeiro, podemos ver a sensibilidade poética da narradora. E a poesia é evidente também no ritmo do texto, construído em verso livre. 

Este não é um livro fácil. Ou feliz. É um texto forte e poderoso. Uma narrativa profunda e visceral. De um impacto semelhante a uma pedra que derruba um pássaro em pleno voo.

Ficha Técnica 
O peso do pássaro morto 
Aline Bei 
Editora NOS
Ano: 2017
Páginas: 167

2 comentários:

Daniela Figueiredo disse...

Negar que livro tem efeitos distintos em leitores ou leitoras é desconsiderar a minha trajetória de mulher em uma sociedade patriarcal. É isso, para mim "O peso do pássaro morto" é um soco no estômago, a trajetória sofrida de uma mulher que busca um espaço mínimo negado ao longo de sua vida. Contudo, a narrativa é sensível, impossível de não ser lida num sô fôlego. A felicidade dessa leitura fica por conta de descobrir uma escritora de peso, através do convívio com colegas que respiram literatura.

Samuel Medina (Nerito Samedi) disse...

Realmente, Daniela. É um soco no estômago. Obrigado por seu comentário!