sexta-feira, abril 06, 2018

Terras Secas: Um árido conflito


Arthur Boaventura está decidido a nunca mais escrever. Isso, às vésperas de receber uma premiação por sua obra poética.
Solteiro, na casa dos trinta, ele é um conceituado professor universitário.  Construiu uma sólida carreira acadêmica em literatura. Ainda assim, ele detesta tudo o que escreve.
Assim começa Terras Secas, romance de estreia da escritora mineira Paula Peregrina. Ela situa seu protagonista em Belo Horizonte, capital mineira, mas bem poderia estar em qualquer metrópole do mundo. Arthur é o retrato do homem contemporâneo: fragmentado, solitário, paranoico, e eternamente insatisfeito. Ele tem uma vasta bagagem cultural, mas isso apenas contribui para torná-lo mais vazio e confuso.
Ao retornar da premiação, Boaventura fica preso dentro do elevador do prédio em que mora. Acaba adormecendo. Ao acordar, descobre-se em um cenário inusitado: um céu violeta sem nuvens sustenta duas esferas opacas. Uma é de cor laranja; já a outra, prateada. O chão que se estende a perder de vista é amarelado e seco, de uma secura rachada e agreste. Ao longe, uma árvore torta cujos contornos do tronco são distorcido e as folhagens, difusas.
A partir daí, começa a extraordinária jornada de Arthur Boaventura. Ele não sabe mais quem é. Pior: não tem mais emoções. Tenta, contudo, entender onde está e a lógica desse mundo onírico. Trata-se de um ambiente hostil e enigmático que irá desafiar o protagonista e intrigar o leitor.
O texto de Paula Peregrina é agradável, acessível, a despeito da trama profunda e fantástica. Repleta de referências literárias, com destaque em Arthur Rimbaud, a obra dialoga com temas caros para as pessoas que desejam se aventurar na arte da escrita. É possível escrever em um mundo sem memória, sem tempo? As perguntas vão se desenrolando, desdobrando, desvelando. Apesar disso, às dúvidas permanecem.
Escrito de forma envolvente e bem elaborada, Terras Secas se apresenta como um romance que tanto agrada pela beleza do texto quanto pela profundidade do tema. Sem dúvida uma jornada épica para qualquer amante de boa literatura.

Ficha Técnica 
Terras Secas
Paula Peregrina
Editora do Pandorgas

Nenhum comentário: