quarta-feira, fevereiro 07, 2018

Prosa Poética: O momento para afiar o lápis - e a mente!

A tarefa de escrever não é fácil. Por vezes, ficamos horas diante de uma página em branco, sem ideias para uma primeira frase. A intenção está lá; algum assunto se delineia; porém, não conseguimos achar aquela primeira frase que será como o primeiro golpe de facão em um terreno cheio de mato. 
Essa dificuldade não acomete apenas escritoras e escritores iniciantes. Grandes personalidades da história da literatura confessam sobre o tão temido bloqueio criativo, algo que agia como um muro invisível, impedindo o desenvolvimento do texto. Algumas vezes, por meses ou anos.
Mas não é bem disso que estamos falando. Bem, é e não é. Afinal, nem começamos ainda nosso primeiro texto. Temos o desejo de escrever, ansiamos por fazer a coisa direito, mas encontramos dificuldade justamente em começar.
Existe também aquele sentimento de despreparo, de imaturidade, que por vezes enguiça a criatividade de escritoras e escritores iniciantes. Ficamos com aquela sensação de que nada do que escrevermos sairá bom. De que precisamos nos preparar mais. Então, mergulhamos em livros, artigos, ensaios, manuais, tentando aprender o que ninguém irá ensinar.
Uma das possíveis alternativas para superar ou ao menos enfraquecer tais dificuldades são as famosas oficinas literárias. Inclusive, muitos escritores de carreira se sustentam não pela sua literatura, mas através de oficinas, sejam elas exercícios de leitura ou escrita.
Existe um grande porém na busca por oficinas de autores consolidados: a concorrência e o custo. Em muitos casos, a oficina requer um pagamento que ultrapassa as condições da escritora ou do escritor aprendiz. Em casos em que a oficina é oferecida gratuitamente, há uma fila enorme de pessoas interessadas. Assim, muitas delas ficam de fora do processo.
Outro problema apresentado em oficinas assim é seu caráter pontual. A gente se encontra com o escritor mediador, ouvimos suas palavras, discutimos com os colegas os pontos levantados, fazemos os exercícios propostos e pronto. De agora em diante, devemos seguir por conta própria. E lá vem o bloqueio de novo.
Dentro dessa perspectiva e buscando atender aos anseios de pessoas simples como nós, apresento a Prosa Poética - Oficina de Escrita Criativa. Proposta pelo professor de Letras Felipe Diógenes, a Prosa Poética é uma atividade gratuita, com frequência semanal, sem burocracias e com uma metodologia simples e leve. A proposta é a mediação através de um objeto provocador, sobre o qual os participantes deverão escrever durante um limite específico de tempo. Ao final do prazo, cada um deverá ler o texto produzido e todos serão convidados a comentar. Uma condição é que os comentários sejam positivos, ou seja, deve-se falar o que funcionou no texto, as construções bem-sucedidas. 
Esse é o formato padrão da Oficina. Porém, ele não é rígido. Dessa forma, outras metodologias foram utilizadas. Dentre elas, cito os jogos criativos do Oulipo. Esses jogos apresentam a proposta de produção escrita a partir de regras específicas.
Nos dias 30 de janeiro e 6 de fevereiro deste ano, eu tive a oportunidade de mediar as reuniões da Prosa Poética. E justamente utilizei algumas propostas inspiradas no Oulipo. Na primeira reunião, fizemos a atividade de escrever limitados por um cronômetro. A cada vinte segundos, uma palavra aleatória era dita e os participantes eram obrigados a inserir a palavra em seu texto. Foram cerca de 10 palavras por exercício. Mesmo tendo sido a pessoa responsável pela mediação e quem trouxe a atividade, em outras duas rodadas fiz questão de convidar os colegas a tomar a posição de mediadores, responsáveis por ditar as palavras. Afinal, eu também queria escrever.
Ontem, dia 6, abrimos a oficina com a proposta de texto quimérico. Cada participante começava a escrever a partir da frase "O gato subiu no telhado". Após um tempo de 5 a 7 minutos, eles eram obrigados a passar a folha para o colega do lado. A folha era dobrada de forma que apenas a última frase ficasse visível. A rodada terminava quando o texto passava por todos os quatro participantes até retornar às mãos de quem o havia iniciado.
Os resultados foram muito interessantes. Tivemos tempo de repetir o exercício da reunião anterior, em duas rodadas. E acredito que as próximas reuniões serão igualmente desafiadoras para mim, pois tenho mais uma mediação agendada. O exercício proposto está em fase de construção.
A Prosa Poética é um momento interessante de troca de vivências e possibilidades criativas. Seus encontros oferecem material para muitos escritos. Alguns destes estão presentes no blog oficial da Oficina, https://oficinaprosapoetica.wordpress.com. Fica o convite para todas e todos acompanharem nossa produção lá.
E não posso deixar de fazer o convite para quem mora em Belo Horizonte e Região Metropolitana para que dê um pulo e venha conhecer nossa Oficina. Nós estamos reunidos toda terça-feira, às 10h da manhã, na Biblioteca Pública Infantil e Juvenil/Centro de Referência da Juventude. O endereço é: Praça da Estação, sem número. Chega junto!

10 comentários:

Tchô disse...

Poxa, realmente iniciativas como essa são muito edificantes. Seu texto me fez relembrar minha busca por conhecimento em escrita pouco antes de publicar meu primeiro livro. É realmente difícil procurar por iniciativas como essa.

breno himura disse...

Muito interessante. Lembro que participei com você algo parecido com isso. Ajuda e muito na hora de criar um livro. As vezes tudo o que precisamos para começar a escrever é sair do nosso ninho literário e conversar com outros escritores e participar de atividades desse sentido.

Ana Faria disse...

Participei de um dos encontros e gostei muito. Ajuda a perdermos o medo de escrever sem planejar, e de escrevermos sobre temas variados sem seu o que já estamos acostumados. Nos tira da zona de conforto. Se é que essa zona existe para um escritor. Recomendo.

Ana Faria disse...

:)

Sandra Medina disse...

Excelente trabalho, Samuel! Parabéns

Thais Venzel disse...

Que máximo! Não sabia da existência dessa oficina, mas com certeza participarei. Adorei a iniciativa. Parabéns pelo trabalho desenvolvido Samuel.
Um abraço!

Samuel Medina (Nerito) disse...

Oi, Thais, valeu! Espero que você possa um dia visitar a oficina. Será muito legal. Abraço!

Samuel Medina (Nerito) disse...

Muito obrigado, prima!

Carolina Lobo disse...

Participei dos últimos quatro encontros e adorei as propostas e experiências adquiridas. 👏

Samuel Medina (Nerito) disse...

Legal demais que você esteja gostando. Espero que continue!