sábado, novembro 11, 2017

Sedento

Estou com sede. Meu rosto é um esgar de secura. Sou um sedento que rasteja por solo pedregoso. Arranho meu ventre nas pedras, machuco meu rosto nas raízes mortas das plantas. Sou um rio de secura travando uma constante batalha com o solo. Minha pele é como a terra, imersa num mimetismo vil e inútil. Já não sei onde acaba meu corpo e começa o chão. E não me importa saber. Afinal, apenas tua úmida presença faria minha pele vicejar novamente. Uma presença que se faz eternamente impossível.

Nenhum comentário: