quinta-feira, fevereiro 09, 2017

Canto de um nunca mais

Quando criança
Ouvia ela cantar:
"Sabiá lá na gaiola
Fez um buraquinho
Voou..."
E de repente,

Numa tarde

Quem voou para longe
Foi o suspiro
Da minha avozinha.
E a gaiola, o corpo
Tão fraquinho e franzino
Que não mais conseguiu
Segurar uma alma
Desejosa em voar.
A menina chorosa
É minha alma

Que se espreme
E tenta lembrar

Das tardes
Quando ela cantava
E contava
De um sabiá
Que prometia voltar.

Nenhum comentário: