quinta-feira, setembro 24, 2015

Percurso da mágoa

Acessei a rede social. Queria ver sua foto uma primeira vez. É sempre uma primeira vez quando te vejo. E meus olhos, antes tão secos, aguaram a tua ausência.
Escorri através de meus olhos. Esvaí-me em líquidos lamentos. Sobrou uma casca. Esta agora que passeia pelas teclas.
Deixo marcas etéreas em telas de plasma. Nem imagino que plasma sou. Lânguido e fluido escorro-me.
E nessa pequena jornada em que sou a fonte, depois de tímidos volteios, lanço meu último lamento. Afinal, você não será aquela a ler estas palavras. E minha essência, tornada lamento lacrimoso, em seu fim de passeio, será recolhida finalmente pelo ralo.

Nenhum comentário: