sexta-feira, fevereiro 16, 2018

Altered Carbon: o ser para além do humano

Quais são os limites para o que se pode considerar humano? Quando uma consciência tem a capacidade de mudar de corpos, ultrapassando limites de idade, gênero, etnia, a partir de quais critérios tal consciência poderá construir sua identidade e se considerar humana? 
Essas e outras questões são lançadas ao aturdido espectador enquanto este assiste a mais recente série da Netflix, Altered Carbon.
Baseada no livro homônimo de Richard Morgan, a série já de início apresenta o conceito de "capa": a partir de um chip  ou cartucho implantado na base da nuca, a consciência pode ser capturada e transferida para outro corpo. Dessa maneira, o corpo passa a ser nada mais que uma capa, ou roupagem, da qual a consciência pode se servir da maneira que quiser, desde que tenha dinheiro para tanto. Além disso, a morte foi superada. Afinal, se o chip ou cartucho não for destruído, a consciência pode ser implantada em outro corpo e seguir sua vida normalmente.
Porém, como assinalado acima, apenas aqueles que dispõem de dinheiro podem fazer uso de corpos conforme seus gostos e caprichos. Apenas aqueles com grande riqueza podem usufruir da imortalidade.
Em um mundo assim o espectador conhece Takeshi Kovacs. Ele é o último emissário, um antigo rebelde com treinamento de combate altamente qualificado. Acordado de uma prisão criogênica de 250 anos, ele é contratado por um magnata para resolver um assassinato. E a vítima é o próprio magnata. Todas as pistas indicam o suicídio, mas ele é um matusa, um dos mais antigos, e sua honra não admite algo como o suicídio.
Kovacs recebe a oferta de uma fortuna, além do perdão de seus crimes, para aceitar o caso. Assim, tem início uma intrincada trama envolvendo sexo, intrigas, política e uma boa dose de ação.
Minha impressão da série como um todo foi muito boa. Senti que mergulhava em um rico universo em que o espírito se torna a matéria. Afinal, a consciência, nessa ficção, consiste em um cartucho eletrônico. Assim, é interessante observar como valores morais e questões filosóficas vão se desenvolvendo em torno do enredo, enquanto Takeshi Kovacs, assombrado por seu passado, faz o melhor estilo anti-herói, e mergulha em um ambiente noir, com direito a referências diretas ao pai do romance policial, o próprio Edgar Allan Poe.
As personagens são interessantes e carismáticas. Elas vão ganhando profundidade ao longo dos episódios. Com exceção de Kovacs, que faz um percurso moral de redenção, alcançando o patamar de herói e encontrando o seu nêmesis. Esse percurso empalidece a carga dramática em redor do protagonista.
Das personagens que crescem ao longo da série, merece destaque a policial Kristen Ortega. Incorruptível e durona, Ortega segue os passos de Kovacs por seus próprios interesses e não tem medo de enfrentar quem quer que seja. Seus rompantes de fúria se fazem no melhor espanhol chulo.
Existem outros pontos interessantes a se observar. Por exemplo, a sociedade que se descortina na série. Ainda que séculos tenham se passado desde a "descoberta" da imortalidade, com a raça humana tendo colonizado inúmeros planetas e se expandido para muito além dos seus limites, pareceu-me que eu estava diante da mesma sociedade do século XXI. Outras distopias, como Admirável mundo novo e 1984, apresentam uma "evolução" na sociedade de forma mais marcante que Altered Carbon.
Com isso, arrisco dizer que esta série não deixa de ser uma aguda crítica de nosso tempo, onde imagens superficiais e repletas de artificialidade, como perfis de mídias sociais, constroem relações muitas vezes perversas e predatórias, aumentando ainda mais as desigualdades em nossa sociedade, cada vez mais desigual.

Ficha técnica
Altered Carbon
Criação de Laeta Kalogridi
Produção: Netflix
Baseado no romance de Richard K. Morgan.
Site oficial.

Nenhum comentário: