quarta-feira, setembro 30, 2015

Estatuto da família ou família sem amor com política sem ética

Foi aprovado em sessão especial o tal estatuto da família. Muitos se levantaram a favor, outros tantos firmaram pé contra. Estou entre eles. Fiquei um pouco reticente, apenas apoiando em silêncio os protestos de tantos amigos esclarecidos. Enquanto isso, acumulava em meu peito um apanhado de ideias e questões sobre esse momento tão complicado. Resolvi então ler um pouco.
Enquanto pesquisava sobre o termo "estatuto da família", descobri que havia um primeiro objetivo, com o "estatuto das famílias", de Lícide da Mata, de justamente fazer o contrário do estabelecido no texto atualmente aprovado, pois se buscava ampliar o conceito de família para além da união entre homem e mulher. E de repente, a escalada da intolerância e do conservadorismo ameaça logar fora a água do banho com o bebê junto. Ao estabelecer a família como um princípio quase dogmático, acaba por ser excludente, marginalizando parcelas da sociedade que devem ter seu direito garantido.
É evidente que um estatuto como esse apenas passa verniz sobre uma ideia antiquada e retrógrada, tentando dar-lhe a aparência de digna. Apenas procura institucionalizar a hipocrisia de tantos que colocam seu desejo por poder e influência acima do direito e da ética.
Enquanto isso, continuo dando vazão à minha perplexidade ao me lembrar que as personagens bíblicas Rute e sua sogra Noemi seriam excluídas desse estatuto bizarro, assim como Ester e seu primo Mordecai. O que me faz crer que essa tal bancada evangélica só lembra dos trechos da bíblia que lhes interessam, esquecendo o resto.

terça-feira, setembro 29, 2015

segunda-feira, setembro 28, 2015

O Usuário Modelo

O homem de negócios, calvo e de meia-idade, chega em seu apartamento. Aparenta um ar cansado, oprimido. Deixa a pasta em um canto do escritório. A mulher e as crianças estão fora, na casa dos pais dela. Ele sente o alívio e o leve comichão da oportunidade. Como é sexta-feira, ele tem a noite inteira.
Liga o computador e senta em frente à máquina, enquanto afrouxa a gravata. Poderia até preparar alguma coisa para comer, um lanche rápido. Mas prefere aproveitar cada minuto de privacidade. Talvez mais tarde peça algo por telefone. 
A tela brilha, carregando o sistema. O executivo não perde tempo e faz logo a conexão, abrindo o navegador da Internet. Usuário e senha digitados.
- Boa noite, senhor Oscar. - A página inicial carrega esses dizeres em imagens efusivas de boas-vindas.
Oscar suspira. Tinha esquecido completamente da Internet 2.0, "nova solução interativa que veio para revolucionar a vida das pessoas". O slogan era bem chamativo: "Internet 2.0 - A Vida  em um novo Hiperlink". Oscar chega a murmurar um "boa-noite" enviesado, enquanto lembra que na verdade basta apenas clicar no luminoso OK que domina o centro da tela. Quase olha de soslaio para verificar se alguém percebeu o ato falho, enquanto se lembra que está sozinho. A cada minuto passado nessa nova era digital, o executivo de meia-idade se sente cada vez mais idiota. Um alerta vem arrebatá-lo de suas ligeiras impressões.
– O senhor possui 30 mensagens não lidas em seu e-mail. O usuário modelo não tem mensagens pendentes. Não será possível continuar antes de executar esta tarefa.
O suspiro passa à crescente irritação. Agora a Internet 2.0, com sua interatividade, exibia uma série de tarefas necessárias "a uma navegação de qualidade". 
Uma hora depois de ter ligado o computador, Oscar acaba de deletar o último e-mail. Terá liberdade, enfim. Mas percebe que está enganado. 
– O senhor tem cinco notícias pendentes. O usuário modelo é sempre bem informado!
Oscar quase xinga a máquina insensível. Não poderá continuar enquanto não tiver lido ao menos cinco matérias online. E fornecidas pela Internet 2.0 através de algum critério obscuro, de nenhum interesse a Oscar. Lidas as notícias, uma nova etapa:
– Senhor Oscar, há um post pendente em seu blog. O usuário modelo mantém seu blog atualizado!
Mais um pedágio: o blog obrigatório. Oscar nunca se considerou alguém com dotes para a escrita. Mas de alguma forma tem que alimentar no mínimo 250 caracteres para que a Internet 2.0 aceite o seu post.
Depois de cumprido mais um ritual, depara-se com o navegador já disponível para uso. Agora pode de fato surfar e buscar o que deseja na rede. Acessa o maior portal de pesquisa e digita "sexo". O navegador retorna uma lista enorme de sites eróticos. Fotos, vídeos de ensaios, sites de relacionamento, serviços de acompanhantes. Oscar clica no primeiro link da lista, um famoso site com vídeos amadores. A Internet 2.0 emite um sinal de alerta:
– Atenção, este sítio não pode ser acessado por conter material impróprio.
Oscar tenta outro site, com conteúdo parecido. A negativa é a mesma. Faz uma terceira tentativa, clicando no link de um site com as últimas fotos das revistas masculinas mais famosas. 
– Atenção, conteúdo familiar ativado. Não será possível continuar.
Oscar desiste, exasperado. A sensação de que há mais alguém no escritório fica muito forte. Uma nova imagem brilha no computador:
– Mensagem de violação enviada para karminha@hotmail.com.
O alarme na mente do executivo se manifesta como um início de enxaqueca. Um breve texto abaixo do aviso detalha: “A Internet 2.0 prepara sua família contra os abusos e perigos. Se o seu filho estiver usando a rede para tentar acessar sítios suspeitos, você será avisado.” E a destinatária é Carmen, esposa de Oscar. Mas o homem de negócios percebe que tudo aquilo é apenas o início. A Internet 2.0 informa que os dados postados no blog são “insuficientes”. Para garantir a suficiência de atualização, o próprio sistema se encarrega de enviar para a rede uma série de fotos de família, dados médicos e até informações dos gastos e rendimentos de Oscar. 
O homem quase tem um ataque. Agora é questão de vida ou morte. Lembra-se do e-mail que um colega de trabalho enviara, com umas fotos provocantes de uma atriz de novela. A desforra será acessando esse e-mail proibido e completamente particular.
Mas Osca sente um profundo desânimo quando a Internet 2.0 avisa: 
– Atenção: e-mail com conteúdo suspeito removido.
Derrotado, Oscar ainda observa por alguns segundos a tela com a mensagem proibitiva. Suspira. Desliga a máquina.

Este texto foi produzido durante uma oficina de escrita ministrada pelo escritor Sérgio Fantini.

sexta-feira, setembro 25, 2015

Uma surpreendente viagem a um mundo de sombras


Algumas animações são como um profundo mergulho em um reino de quimeras. E recentemente, passei por uma dessas terríveis e maravilhosas experiências. Estava na Biblioteca conversando com minha amiga Lara, quando descobrimos que gostamos dos mesmos desenhos animados. Por indicação dela, quase que uma intimação, fui levado a conhecer a animação Over The Garden Wall.
Criada por Patrick McHale para o Cartoon Network e contando com apenas dez episódios, a animação apresenta os dois irmãos Wirt e Greg que estão perdidos em uma floresta sombria sem saber como lá teriam chegado. Encontrando diversos personagens bizarros e enfrentando situações nonsense, os dois meninos buscam o caminho de casa.
Uma das características mais legais desse trabalho é justamente sua concisão. Uma narrativa gostosa e pungente se desenvolve naturalmente, sem longas explicações. O texto todo está no campo do implícito, da sugestão onírica. E a própria música de introdução mostra esse jogo de absurdos, enquanto imagens como a de um peixe a pescar em um pântano ilustram a bela melodia.
Outro ponto muito positivo da série é justamente o arranjo melódico. São canções ora melancólicas, como a da intro, ora leves e divertidas, como aquela que Greg canta enquanto mistura purê de batata com melado, no refeitório de uma escola repleta de filhotes de animais vestidos com roupas humanas. O detalhe é que, apesar da postura e das roupas, nenhum desses filhotes realmente fala, embora estejam sendo ensinados a ler e escrever nessa inusitada escola no meio da floresta.
Há muitos outros momentos da narrativa em que situações absolutamente absurdas vão se delineando para o espectador. E nesse absurdo sua beleza se revela, como a curtíssima melodia do assaltante (The Highway Man). 
E assim chegamos ao terceiro ponto positivo da animação: a primorosa dublagem. Inclusive em português. As melodias foram traduzidas de forma que se buscasse perder o mínimo da essência da versão original. Logicamente, recomendo que os mais interessados assistam tanto a versão com dublagem nacional quanto a original. Ambas são maravilhosas.
Assim, como uma jornada por terras imersas em bruma, Over The Garden Wall é uma experiência ímpar, repleta de sombras e mistérios, além de perigos e belezas.

quinta-feira, setembro 24, 2015

Percurso da mágoa

Acessei a rede social. Queria ver sua foto uma primeira vez. É sempre uma primeira vez quando te vejo. E meus olhos, antes tão secos, aguaram a tua ausência.
Escorri através de meus olhos. Esvaí-me em líquidos lamentos. Sobrou uma casca. Esta agora que passeia pelas teclas.
Deixo marcas etéreas em telas de plasma. Nem imagino que plasma sou. Lânguido e fluido escorro-me.
E nessa pequena jornada em que sou a fonte, depois de tímidos volteios, lanço meu último lamento. Afinal, você não será aquela a ler estas palavras. E minha essência, tornada lamento lacrimoso, em seu fim de passeio, será recolhida finalmente pelo ralo.

quarta-feira, setembro 23, 2015

Primeira Bienal do Livro de Contagem

Olá, pessoal! Ontem tive uma excelente notícia! Fui convidado a participar da mesa sobre Literatura Fantástica, junto com o escritor na Primeira Bienal do Livro de Contagem.

O evento acontecerá nos dias 25 a 27 de setembro, no próximo final de semana. Então, quem tiver um tempinho, não deixe de passar lá em Contagem! ^_^

Local: 4 Elementos Sítio Escola. Rua Barbacena, 55 - Alvorada - Contagem.
Hora: 15h.
Espaço Livro de Bolso.

Mais informações e programação completa aqui.



terça-feira, setembro 22, 2015

Vídeo de terça: Leilão de Jardim, Cecília Meireles

Olá, pessoal! Enquanto prossigo nesse vácuo criativo, dou continuidade dos vídeos poemas. Hoje, "Leilão de Jardim", de Cecília Meireles.

Então, até a próxima! ^^

terça-feira, setembro 15, 2015

Vídeo de terça: trecho de A Pele, de Curzio Malaparte

Olás! Hoje trago para vocês a leitura de um trecho que achei maravilhoso. Está no livro A Pele, de Curzio Malaparte. Ainda não terminei a leitura, mas decidi fazer algo diferente nos vídeos de terça. Espero que gostem! ^_^